in

Decathlon compromete-se a definir metas de acordo com novo nível de ambição climática

A Decathlon definiu metas de redução de emissões, de acordo com a trajetória de 1,5ºC, e compromete-se a aderir a um futuro com zero emissões.

O compromisso surge como resposta às mais recentes conclusões da comunidade científica que preconiza as ações necessárias para limitar as piores consequências das alterações climáticas.

A Decathlon respondeu a um apelo lançado por uma coligação de empresas, de personalidades da sociedade civil e de líderes da ONU, com o intuito de contribuir para limitar o aumento da temperatura média global a 1,5°C em relação aos níveis pré-industriais. “Estamos totalmente empenhados em tornar o desporto e as atividades ao ar livre acessíveis ao maior número de pessoas possível. As alterações climáticas ameaçam o mundo em que vivemos e, não havendo mudanças, a todos os níveis e por parte de todos os intervenientes, o nosso planeta está em perigo iminente Temos como prioridade cumprir a nossa parte neste desafio global”,afirma Isabelle Guyader, Sustainability Chief Officer da Decathlon.

Em  junho, alguns líderes mundiais, entre eles María Fernanda Espinosa Garcés, presidente da Assembleia Geral da ONU, Lise Kingo, CEO e diretora executiva do UN Global Compact, Patricia Espinosa, secretária executiva da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas, John Denton, secretário-geral da Câmara de Comércio Internacional, e Paul Polman, defensor dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e antigo CEO da Unilever, redigiram conjuntamente uma carta aberta dirigida às organizações a nível mundial. A carta encoraja os quadros dirigentes a definir metas ambiciosas para as suas empresas, que estejam de acordo com o relatório publicado em outubro de 2019 pelo Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas, que apelou a uma limitação do aumento da temperatura global a 1,5°C acima dos níveis pré-industriais.

Nestlé lança barras de cereais Cheerios com mel

Três tendências que vão mudar a indústria transformadora em 2020