in

Da Beira Baixa chegam trufas de licor e de aguardente de medronho

Em plena pandemia, com o negócio dos eventos na Quinta das Olelas forçado a parar, o chef Artur Norberto não baixou os braços. Pegou no medronho, fruto característico da Beira Baixa, e juntou-o a outra das suas paixões: o chocolate. Desta mistura surgiram as Trufas de Licor de Medronho e as Trufas de Aguardente de Medronho.

É uma forma original de valorizar um produto a que, atualmente, pouca atenção se dá ainda”, indica o administrador executivo da Quinta das Olelas, em Retaxo, concelho de Castelo Branco. “Em conversa com alguns amigos aqui da região, muitas vezes perguntam-me como é que nunca ninguém se lembrou de fazer algo similar”, conta o chef Artur Norberto.

A ideia, explica, surgiu quando fazia uma replantação de medronheiros na quinta. “Estavam completamente desordenados e foi necessário cortar alguns, replantar outros, dar alguma simetria à plantação”, adianta. Durante esse processo deparou-se, um dia, com um ninho caído no chão, com medronhos secos. “Achei piada ao conjunto e pensei que poderia ser muito interessante reproduzi-lo com chocolate”, salienta.

Com os sucessivos confinamentos em vigor ao longo do último ano, a atividade principal da quinta, a organização de eventos e casamentos, viu-se muito reduzida.

Artur Norberto preferiu apostar no futuro. “Acredito que quem fizer diferente, quem inovar nesta fase de confinamento, vai estar mais bem posicionado aquando da reabertura”, salienta o chef, nascido em Proença-a-Nova, há 44 anos. Assim, aproveitou o tempo e o incentivo da família e começou a desenvolver as trufas.

 

Memórias

Quis que os bombons carregassem as memórias do que é almoçar na nossa quinta ou, para quem ainda não a conhece, que despertasse o desejo de a conhecer”, refere o chef beirão, acrescentado que procurou também “despertar um certo sentimento de nostalgia aproveitando os sabores característicos de um fruto muito conhecido nesta região, que, enquanto fresco, requer especiais cuidados de conservação, mas que tem um grande potencial gastronómico”.

A partir desta base, garante, foi fácil encontrar os parceiros certos para desenvolver o negócio, nomeadamente, a escolha do fornecedor de chocolate. “Era preciso perceber bem o que havia no mercado, mas, como já trabalho com estes fornecedores há algum tempo, foi fácil acertar detalhes e estratégias para o desenvolvimento do produto. Foram precisos cerca de seis meses, mas valeu a pena”, assegura.

As Trufas de Licor de Medronho e as Trufas de Aguardente de Medronho apresentam-se em embalagens de 125 gramas e têm um PVP de 14,50 euros. Estão à venda na loja da Quinta das Olelas, assim como também na loja virtual do Facebook da quinta ou, ainda, através do número 961 431 980.

Ainda de acordo com Artur Norberto, neste primeiro ano, o único ponto de venda físico será a Quinta das Olelas, até como forma de a valorizar a marca, numa altura em que se encontra fechada. A expansão, admite, “terá de ser pensada com muita cautela para não se perder a essência do que é o produto. Se este falar por si próprio, será fácil não só a sua implementação a nível nacional como, mais tarde e integrado noutros projetos, saltar fronteiras”, conclui.

Publicidade

Os Mosqueteiros

Grupo Os Mosqueteiros investe 2 milhões de euros na transferência energética

Economia

Estímulos fiscais e monetários vão estender-se por 2021