in

Covid-19 mudou a opinião dos consumidores sobre sustentabilidade

Foto Shutterstock

A pandemia de Covid-19 aumentou o foco dos consumidores na sustentabilidade e na disponibilidade em pagar dos seus próprios bolsos – ou mesmo de ter um corte salarial – por um futuro sustentável, de acordo com um novo estudo do IBM Institute for Business Value (IBV), que contou com a participação de mais de 14 mil consumidores em nove países.

Nove em cada 10 consumidores inquiridos reportaram que a pandemia afetou as suas opiniões sobre a sustentabilidade ambiental e foi o principal fator citado, mais do que incêndios florestais, desastres devido a eventos meteorológicos e cobertura noticiosa sobre o tema.

O estudo também revelou diferenças na opinião dos consumidores entre geografias, com os americanos inquiridos a reportarem uma menor preocupação com a sustentabilidade em muitos tópicos.

O estudo revela que os inquiridos, em todo o mundo ,estão cada vez mais preocupados com a crise climática global e que empresas de todas as indústrias estão a procurar tomar medidas urgentes para satisfazer as expectativas dos seus clientes e investidores e gerir os seus próprios objetivos ambientais“, refere Murray Simpson, global lead for sustainability, climate & transition IBM Global Business Services. “Vemos muitas empresas a começar a dar passos em frente para construir cadeias de abastecimento mais sustentáveis e transparentes ou melhorar a gestão energética para reduzir as emissões de carbono, com a ajuda de tecnologias inovadoras, como inteligência artificial e Blockchain”.

De acordo com o estudo, muitos consumidores estão cada vez mais dispostos a mudar a forma como compram, viajam e escolhem um empregador, devido a fatores de sustentabilidade ambiental.

 

Sustentabilidade no emprego

71% dos colaboradores e candidatos a emprego inquiridos diz que as empresas ambientalmente sustentáveis são empregadoras mais atraentes. Além disso, mais de dois terços de toda a força de trabalho potencial é mais propensa a candidatar-se e a aceitar empregos de organizações ambiental e socialmente responsáveis e quase metade aceitaria um salário mais baixo para trabalhar para essas organizações.

Ao mesmo tempo, menos de metade dos consumidores inquiridos (48%) confia nos compromissos das empresas em matéria de sustentabilidade, com 64% dos inquiridos a esperar um maior escrutínio público, no próximo ano.

Tendo em conta que um em cada quatro trabalhadores inquiridos, em fevereiro de 2021, planeia mudar de emprego este ano, as empresas enfrentam o risco crescente de perder talento para concorrentes mais conscientes na área da sustentabilidade.

 

Compradores e viajantes pagarão mais pela sustentabilidade ambiental

Apesar do impacto financeiro devastador da pandemia de Covid-19 em muitos indivíduos, 54% dos consumidores está disposto a pagar mais às marcas que são sustentáveis ou ambientalmente responsáveis.

Adicionalmente, 55% dos consumidores inquiridos reporta que a sustentabilidade é muito ou extremamente importante para eles na escolha de uma marca: 22% superior aos consumidores inquiridos pela IBM no pré-pandemia.Um pouco mais de seis em cada dez consumidores inquiridos disse estar disposto a mudar o seu comportamento de compra para ajudar a reduzir o impacto negativo no ambiente, sendo os consumidores inquiridos na Índia (78%) e na China (70%) os mais disponíveis para o fazerem.

No que diz respeito às viagens, quase um em cada três inquiridos acredita fortemente que os seus hábitos pessoais de viagem contribuem para as alterações climáticas. 82% dos consumidores inquiridos a nível mundial escolheria uma opção de transporte mais amiga do ambiente, mesmo que custe mais.

Publicidade

Consumo sustentável

Preço entre as barreiras ao consumo sustentável

Coviran

Novo supermercado Coviran abre no Cartaxo