in

Covid-19: europeus estão mais preocupados com saúde, bem-estar e cibersegurança

O grupo Europ Assistance divulgou recentemente o Barómetro “Live and work well at home”, que analisa o impacto da pandemia por Covid-19 na Europa, em diversas áreas do mercado de assistência, nomeadamente no que diz respeito à telemedicina, aos cuidados a idosos, à cibersegurança, ao trabalho remoto e ao estilo de vida dos europeus.

Em relação à telemedicina, 78% dos inquiridos tem uma opinião positiva sobre o serviço e consideram tratar-se de uma solução útil porque facilita o acesso a um profissional de saúde (51%), poupa tempo em deslocações (49%) e permite evitar locais com aglomeração de pessoas (39%). São os espanhóis quem mais usou ou contactou diretamente com alguém que usufruiu deste serviço ao longo do último ano.

O estudo revelou ainda que 65% dos europeus demonstra um elevado interesse por plataformas digitais de saúde e 49% já utiliza este tipo de serviço, pelo menos, uma vez por mês. Receber uma prescrição médica (75%), aceder remotamente a um médico (69%) e monitorizar o estado de saúde (68%) são as principais razões que levam à subscrição destes serviços. O Barómetro indica que os europeus confiam e consideram legítimas as ofertas das seguradoras e das empresas de assistência neste âmbito.

Relativamente aos cuidados a idosos, cerca de 60% dos participantes no estudo cuidam de um familiar idoso e 47% tem essa responsabilidade diariamente. Assim, 66% dos inquiridos tem interesse em subscrever um serviço de apoio ao idoso e consideram ser um serviço altamente valioso para ajudar a cuidar de um parente sénior.

O Barómetro revela ainda que os europeus estão cada vez mais preocupados com a cibersegurança e também mais interessados em subscrever soluções de proteção online. Cerca de 68% dos questionados admite que a inclusão de benefícios de ciberproteção influencia a decisão em contratar ou renovar um serviço ou uma apólice de seguro. Proteção financeira e de dispositivos (72%), bem como serviços de apoio a incidentes cibernéticos (71%) são as proteções mais consideradas pelo cliente neste segmento.

No que ao teletrabalho diz respeito, a análise mostra que 47% trabalha regularmente a partir de casa e metade admite ser difícil fazer uma gestão correta do tempo. A maior preocupação dos europeus relacionada com o trabalho remoto é atualmente o bem-estar físico (59%), mental (53%) e o equilíbrio entre a vida pessoal e profissional (53%).

Gestão de tempo

Em termos de gestão de tempo, os inquiridos relevam gastar uma quantidade significativa de tempo na organização de atividades sociais e de lazer, admitindo ponderar subscrever soluções profissionais nesta área. Assim, a maioria dos europeus mostrou interesse em contratar um serviço de assistência pessoal digital, que forneça sugestões personalizadas de atividades, de hotéis, de meios de transporte e de técnicos qualificados, tais como eletricista ou canalizador. A inclusão de um serviço de assistência pessoal digital ganha mais relevo em contexto de mobilidade.

Cerca de 60% tem uma opinião positiva relativamente a este serviço, em que mais de metade dos inquiridos prefere usar este tipo de solução em viagens, enquanto os restantes inquiridos têm preferência por utilizá-la diariamente.

A análise mostra ainda que 80% dos cidadãos europeus participantes do estudo estão dispostos a desfrutar do seu tempo livre de uma forma diferente da anterior à pandemia, nomeadamente Espanhóis e Italianos.

De uma forma geral, o estudo concluiu que, com a pandemia, 85% dos europeus inquiridos passou a estar mais tempo em casa, 78% estão mais preocupados com a sua saúde e bem-estar, enquanto 81% sente que os idosos estão mais isolados. Já 76% dos participantes no estudo indica que despende mais tempo online (socializar, teletrabalho ou compras) e 73% admite ter alterado os seus hábitos de lazer e aspirações de vida devido ao surto sanitário.

Publicidade

cacifos

CTT instalam cacifos no supermercado Apolónia em Lagoa, no Algarve

carne de coelho

ASPOC faz balanço positivo da campanha de promoção da carne de coelho