in

Consumidores querem marcas com propósito

Foto Shutterstock

O preço e a conveniência estão a perder importância para a exigências de propósito nas marcas e nas insígnias de retalho.

Esta é uma das principais conclusões de um estudo da IBM sobre o comportamento do consumidor em 2020, que inquiriu 19 mil pessoas de 28 países para conhecer como estão a evoluir as decisões de compra.

Os resultados indicam que um terço dos inquiridos deixarão de comprar os seus produtos preferidos se perderem a confiança na marca. Um em cada três confirma ter já deixado de comprar uma das marcas que eram da sua predileção por não cumprir com valores como a sustentabilidade e a transparência. Além disso, os consumidores estão dispostos a pagar mais e a mudar os seus hábitos de compra para marcas que se estejam a destacar pela positiva quanto àqueles temas.

Nesse sentido, 70% dos shoppers assumem um custo adicional até 35% para compras sustentáveis, tais como produtos reciclados ou ecológicos. Mais de metade está disposto a mudar de hábitos para ajudar a reduzir o impacto ambiental negativo.

De igual modo, a autenticidade é de grande importância para 80% dos entrevistados, de tal forma que sete em cada 10 está disposto a pagar um adicional por produtos de empresas que ofereçam uma total transparência e rastreabilidade.

Quanto às expectativas face ao canal de compra, à medida que as interações digitais continuam a influenciar a forma como os consumidores compram, os retalhistas deverão inovar no ponto de venda. 86% defende que as lojas devem ter uma variedade que se adapte aos seus estilos de vida e 84% considera importante poder encontrar rapidamente o que necessita. Assim, desejam a utilização de tecnologias que os ajude nesse sentido.

O conhecimento sobre as tecnologias de compra é superior a 90%, pelo que os consumidores estão interessados em experimentar as últimas ferramentas. 71% já utiliza ou quer começar a usar ferramentas de “visual search” e 69% a busca por voz.

Publicidade

Publicidade

Vinalda com vendas de 12 milhões de euros

A publicidade que as marcas de chocolate efetuam tem impacto junto do público?