in ,

Consumidores optam por não comprar se o processo for inconveniente

Foto Shutterstock

Os consumidores estão a prioritizar cada vez mais a conveniência quando se trata de compras. A esmagadora maioria (83%)  disse que a conveniência durante as compras é mais importante agora, em comparação com há cinco anos, de acordo com a última edição do relatório “Consumer View” divulgado pela National Retail Federation. O relatório constatou que 97% dos entrevistados norte-americanos desistiram de uma compra porque era inconveniente para eles.

A popularidade de serviços de entrega como Amazon Prime, Shipt ou Instacart reforça a disposição dos consumidores de pagar – muitas vezes pagar premium – pela conveniência. 66% dos compradores pagam por, pelo menos, um tipo de serviço de entrega e um quarto diz que paga por vários serviços de entrega, de acordo com o estudo conduzido nos Estados Unidos da América.

O relatório também descobriu que a forma como os consumidores estão a comprar e onde estão no processo de compra pode ditar quanto a conveniência importa. Por exemplo, 38% disse que, para as compras online, a conveniência é mais importante no início da experiência de compra, quando pesquisam produtos e tentam determinar qual a melhor opção. Em contrapartida, 40% dos compradores na loja disseram que é no checkout que a conveniência é mais importante. Além disso, os consumidores prioritizam a conveniência para certos tipos de compras, especificamente quando se trata de produtos do dia-a-dia, como produtos alimentares, de cuidado pessoal e para animais de estimação.

Os retalhistas têm antecipado as necessidades dos consumidores nestas áreas, oferecendo uma variedade de inovações, como compra online, recolha na loja ou entrega em dois dias. Estas opções podem contribuir para a fidelidade à marca, pois 93% diz que tem mais probabilidade de optar por comprar num retalhista específico com base na conveniência.

Publicidade

Donald Trump ameaça vinho europeu com novas tarifas

Vendas da Jerónimo Martins crescem 7,5% em 2019