Imagem Shutterstock
in , , ,

Comércio mundial de mercadorias pode cair até 32%

O comércio mundial de mercadorias irá experimentar uma descida entre 13% e 32%, em 2020, devido à pandemia da Covid-19, indica a Organização Mundial do Comércio (OMC).

Os economistas da OMC acreditam que a descida será provavelmente maior que a registada na crise financeira mundial de 2008-2009.

Este ano, quase todas as regiões sofrerão diminuições de dois dígitos no volume do comércio. As exportações serão especialmente afetadas na América do Norte e Ásia. “A descida inevitável do comércio e da produção terá consequências dolorosas para os lares e as empresas, à parte do sofrimento humano causado pela própria doença”, afirma Roberto Azevêdo, diretor geral da OMC.

A organização estima que a queda do comércio deverá ser mais pronunciada em sectores caracterizados pela complexidade das cadeias de valor, sobretudo no caso dos produtos eletrónicos e da indústria automóvel. O comércio de serviços poderá ser o mais diretamente afetado pela pandemia, devido à imposição de restrições aos transportes e às viagens. “O objetivo imediato é controlar a pandemia mitigar os danos económicos às pessoas, empresas e países. Não obstante, os encarregados da formulação das políticas devem começar a planificar a etapa posterior à pandemia”, acrescenta Roberto Azevêdo.

A OMC prevê uma recuperação do comércio em 2021, mas dependerá da duração do surto da Covid-19 e da eficácia das respostas políticas. “É possível uma recuperação rápida e vigorosa”, sustenta o diretor geral da OMC, para quem as decisões hoje adotadas irão determinar a configuração futura da perspetiva de recuperação e crescimento mundiais. “O comércio será uma componente importante neste sentido, juntamente com a política fiscal e monetária. Para reativar os investimentos que necessitamos, será fundamental que os mercados se mantenham abertos e sejam previsíveis e fomentar um ambiente empresarial mais favorável no geral. Se os países colaborarem, veremos uma recuperação muito mais rápida do que no caso de cada um atuar por sua conta”.

Em 2019, o volume do comércio de mercadorias registou uma desaceleração de 0,1%, lastrado pelas tensões comerciais e pelo menor crescimento económico.

Mercado imobiliário português movimenta 1.500 milhões de euros no primeiro trimestre

Heineken anula as previsões para 2020