in

Mercado imobiliário português movimenta 1.500 milhões de euros no primeiro trimestre

Imagem Shutterstock

O primeiro trimestre de 2020 registou o segundo mais elevado volume trimestral de investimento em imobiliário, alguma vez verificado em Portugal.

Neste período, a CBRE identificou 17 operações que, no seu conjunto, integraram 42 imóveis, com um volume transacionado de 1.500 milhões de euros. Recorde-se que, no último trimestre de 2019, verificou-se o maior volume de investimento trimestral registado em Portugal, de 1.700 milhões de euros.

No primeiro trimestre, destacou-se a venda de uma participação num conjunto de centros comerciais constituído pelo Centro Colombo, o Centro Vasco da Gama, o CascaiShopping e o NorteShopping, que representou aproximadamente metade do volume transacionado no período. Para além desta operação, salienta-se também a venda de um portfólio de 10 hotéis e outro de oito escritórios. Deste modo, o sector do comércio captou mais de 50% do total do investimento no trimestre, os hotéis 24% e os escritórios 19%. Aproximadamente, 75% do investimento teve origem internacional.

O valor transacionado este trimestre excede já o total captado em 2007, antes da crise económico-financeira global, ano em que foram investidos 1.300 milhões de euros em imobiliário comercial.

Antes do início da pandemia da Covid-19, havia um volume significativo de operações em curso ou a ser preparadas para serem colocadas no mercado e a expectativa da CBRE era de que, em 2020, fosse novamente ultrapassado recorde de investimento verificado em 2019, de 3.500 milhões de euros.

Atualmente, a incerteza é elevada relativamente à dimensão do impacto da crise nos diversos sectores de atividade e na economia. No entanto, a CBRE acredita que, num cenário de início de recuperação dentro de três meses, sejam possível realizar, até o final do ano, operações de investimento cujo montante poderá variar entre os 500 e os mil milhões de euros, o que perfaz uma estimativa de investimento total, para 2020, entre dois mil e 2.500 milhões euros.

Publicidade

Três eixos para preservar, e recuperar receitas, durante a crise da Covid-19

Comércio mundial de mercadorias pode cair até 32%