in

Comércio eletrónico cresce 82,3% em Itália

Segundo os dados fornecidos pela Nielsen, nas duas semanas após as primeiras medidas de confinamento, as vendas nos supermercados em Itália cresceram 11,7%.

O porta-voz das consultoras IPLC Itália e Expertise on Field, Paolo Palomba, aponta três razões para o aumento incomum das vendas. A primeira é o efeito da acumulação irracional de produtos, “que é exacerbada após cada anúncio de novas restrições e afeta especialmente categorias duradouras, como massas, arroz, conservas de tomate ou farinha, por exemplo“. Por outro lado, o aumento das compras de prevenção e saúde, como produtos para parafarmácia (+112%) e itens de higiene pessoal (+15%). Por fim, Paolo Palomba destaca o impacto que a queda da restauração teve no retalho. “Na Itália, a alimentação fora de casa representa 37% do consumo total de alimentos“.

A análise por semanas do consumo indica que o aumento nas vendas foi de 12,2% entre 24 de fevereiro e 1 de março e de 11% na semana de 2 a 8 de março.

No entanto, uma análise regional dos dados permite detetar como a passagem dos dias foi acompanhada por um abandono progressivo dos comportamentos de compra mais incomuns. As primeiras medidas de isolamento e encerramento de escolas, decretadas a 23 de fevereiro para as regiões a norte da Lombardia, Veneto, Piemonte e Emília-Romanha, causaram um aumento nas vendas nos supermercados dessas áreas entre 10% e 12,8 % na semana seguinte. No entanto, o aumento do consumo nessas mesmas regiões caiu para 7,5%, entre 2 e 8 de março.

Uma situação inversa à vivida no sul da Itália, que não encerrou as suas escolas até 4 de março ou aplicou o isolamento até 9 de março, quando a medida foi estendida a todo o país. É por isso que os dados das regiões do sul mostram como o aumento nas vendas disparou de 15,8% para 20,9% nas duas semanas analisadas.

Ascensão do comércio eletrónico

Também foi analisado o crescimento dos diferentes canais de vendas de alimentos em Itália entre 2 e 8 de março. Os discounters e supermercados cresceram 15,4%, os estabelecimentos de proximidade 10, os especialistas 5,9% e os hipermercados 5,1%  .

Destaca-se o crescimento de 82,3% no comércio eletrónico, que explodiu em resposta às reivindicações do governo de limitar as saídas de casa. No reverso da medalha, o cash & carry está a sofrer com o fecho do negócio do canal Horeca e reduziu as suas vendas em 22,3%, entre 2 e 8 de março.

Publicidade

Publicidade

Worten mantém lojas abertas para assegurar necessidades imediatas

Mastercard aumenta limite dos pagamentos contactless em 29 países