in

Coca-Cola Zero apresenta nova fórmula com sabor mais próximo da original, mas sem açúcar

Numa altura em que celebra o seu 10.º aniversário, a Coca-Cola Zero apresenta uma nova fórmula com um sabor ainda mais próximo da versão original, mas sem açúcar.

Através de um equilíbrio de aromas e sem alterar ou acrescentar qualquer ingrediente, a marca oferece aos consumidores portugueses um sabor melhorado, num investimento relevante e que demonstra a forte aposta na categoria de bebidas sem açúcar. “A Coca-Cola Zero é um motor de crescimento dentro da companhia e este é um dos maiores investimentos realizados por nós na última década no mercado nacional e internacional. Sabemos que milhões de pessoas adoram o sabor da Coca-Cola e da oportunidade de experienciar esse mesmo sabor, mas sem açúcar”, assinala Tiago Santos Lima, diretor de relações externas da The Coca-Cola Company para Portugal.

A nova bebida partilha a mesma identidade visual que as restantes variedades de Coca-Cola, através do emblemático disco vermelho como protagonista. Para facilitar a identificação da nova Zero, a embalagem tem o preto como cor correspondente e o slogan “Ainda melhor sabor”.

Para comunicar o novo sabor, a marca aposta no lançamento de uma aplicação, a “Emotion Ads”, disponível para o sistema operativo Android. A nova tecnologia permite detetar e classificar as reações faciais expressas pelo utilizador através de algumas categorias, tais como “Feliz”, “Apaixonado” e “Surpreendido”. De seguida, os consumidores têm a possibilidade de partilhar o resultado com todos os amigos nas redes sociais.

Esta é a primeira campanha focada exclusivamente numa variedade de Coca-Cola após a unificação de todas marcas sob a mesma identidade visual. Alinhada com a assinatura “Taste the Feeling”, a Coca-Cola desenvolveu uma campanha que estará disponível em TV, outdoor, redes sociais, meios digitais, pontos de venda e em meios próprios.

Veja aqui o vídeo da campanha:

Publicidade

Lucros da Morrisons crescem pela primeira vez em cinco anos

Uma em cada três transações online é atribuída erradamente