in

China alia-se com a UE para conter o protecionismo de Trump

O protecionismo de Trump e a sua ameaça de impor tarifas sobre os principais fornecedores (México ou China) para “devolver” o emprego e a atividade aos EUA está a ganhar inimigos todos os dias.

O louvor do presidente eleito ao processo de desconexão do Reino Unido da UE, a sugestão que outros aliados europeus façam o mesmo e as críticas a Merkel chocaram os dirigentes nacionais europeus e a Comissão Europeia. O ministro das Finanças francês, Michael Sapin, advertiu Trump que a UE se vai unir contra as críticas. “Quanto mais declarações feitas nesse sentido, mais vamos fechar as nossas fileiras. As críticas à chanceler Merkel são inaceitáveis“, disse.

Também tocou a vez ao presidente chinês, Xi Jinping, que aproveitou o seu discurso no Fórum de Davos (é o primeiro líder deste país que abre este conclave) para fazer um argumento contra a tese de Donald Trump ao pedir aos líderes mundiais que o ouçam dizer “não ao protecionismo” e que continuem comprometidos com o livre comércio.

Temos que permanecer comprometidos com o desenvolvimento do livre comércio e o investimento, para promover o comércio e o investimento, a liberalização e a facilitação (do comércio) através da abertura e dizer não ao protecionismo”, disse.

Perseguir o protecionismo é como trancar-se num quarto escuro onde o vento e a chuva podem ser deixados de fora, mas também a luz e o ar“, assegurou o presidente chinês, Xi Jinping, que ressaltou que ninguém vai ser o vencedor de uma guerra comercial e que a China não vai fechar as portas a outros parceiros comerciais. “Uma porta aberta permite que outros países entrem no mercado chinês e à China integrar-se no mundo, esperamos que outros países também mantenham as suas portas abertas para os investidores chineses e mantenham a igualdade de condições para nós.

Um cenário que por agora não vai assustar a maior fortuna da China, Wang Jianlin, que previu no mesmo fórum que o aumento das tensões entre os EUA e a China vai afetar os fluxos comerciais, apesar de reconhecer que os EUA são a sua principal prioridade a curto prazo. Wang descartou que a sua empresa será afetada, uma vez que Trump não vai bloquear a entrada de capital de investidores estrangeiros. Na entrevista de Trump tornada pública pelo jornal alemão Bild e o britânico Times, o presidente eleito dos EUA descreveu como “obsoleta” a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), pois acredita que os gastos militares por parte da UE são bem abaixo do que que deveriam ser e que esta organização não luta eficazmente contra o terrorismo internacional.

Publicidade

eBay impulsiona confiança do consumidor com o lançamento de eBay Authenticate

Pernod Ricard investe em destilaria irlandesa de whisky