C&A
in

C&A alcança o 2.º lugar no Fashion Transparency Index

A C&A é a segunda marca melhor classificada no 2020 Fashion Transparency Index, que avalia a transparência pública das 250 maiores marcas e cadeias de moda do mundo quanto à sua cadeia de fornecimento e à sua atuação perante determinadas questões sociais e ambientais.

Quem publica o índice é a Fashion Revolution, uma organização sem fins lucrativos cujo principal objetivo é fomentar a transparência das marcas nas suas políticas, práticas e impacto.

Segundo Jeffrey Hogue, diretor geral de Sustentabilidade da C&A, “durante os últimos anos, a C&A melhorou continuamente os seus esforços na gestão, em questões climáticas e de consumo. A Fashion Revolution Index oferece um plano comum para os aspetos mais relevantes da comunicação e da divulgação da informação, o que é importante tanto para os nossos clientes como para os nossos agentes interessados”.

Com uma pontuação de 70%, a C&A melhorou a sua classificação em 10% em relação ao ano anterior. Os dados publicados pela Fashion Revolution mostram que a C&A se encontra entre as marcas mais transparentes do sector em relação à sua cadeia de fornecimento. 2020 é o primeiro ano em que uma marca alcança uma pontuação total de 70% ou mais. A C&A publica os dados de todas as fábricas dos seus fornecedores dos níveis 1 e 2. A lista, atualizada regularmente, pode ser encontrada no site da C&A e no da Open Apparel Registry.

Fashion Revolution

A Fashion Revolution realiza um acompanhamento anual do progresso das marcas e cadeias de moda internacionais desde 2016, centrando-se na informação mais importante para todos os interessados. Os especialistas do sector realizam esta avaliação, baseada em cinco categorias. Este  ano, a C&A obteve as pontuações de 97% em política e compromissos, 100% em gestão, 70% em rastreamento da cadeia de fornecimento, 59% na avaliação de fornecedores e 51% em assuntos da atualidade (condições, consumo, composição e questões climáticas).

Covid-19 obriga retalho a rever modelo operacional

Covid-19 obriga retalho a rever modelo operacional

Portugueses continuam a comprar em supers e hipermercados

Portugueses continuam a comprar em supers e hipermercados mas com menos frequência