in , , , , ,

Aumento de quase 24% na constituição de novas empresas e queda de 1% nas insolvências

A Iberinform, empresa de análise de mercado do Grupo Crédito y Caución, registou um decréscimo nas insolvências em fevereiro, com 494 empresas insolventes, menos cinco que no período homólogo de 2018 (-1%).

O seu valor acumulado apresenta-se inferior a 2016 e 2017, mas com mais 34 insolvências que em 2018 (aumento de 3,5% para um total de 1.007 insolvências).

Por tipologia, é de registar que, até final de fevereiro, as declarações de insolvência requeridas diminuíram 29,4%, com menos 78 ações registadas. As declarações de insolvência apresentadas pelas próprias empresas baixaram 12%, com menos 30 ações em relação a 2018, enquanto os encerramentos com plano de insolvência reduziram de 16, em 2018, para quatro até final de fevereiro (-75%). As declarações de insolvência, correspondentes ao encerramento de processos, aumentaram de 442 para 596 (+34,8%). No cômputo geral, há um acréscimo de 34 ações de insolvência face aos primeiros dois meses do ano passado, que se traduz no aumento já referido de 3,5%.

Lisboa e o Porto são os distritos com mais insolvências, 201 e 257, respetivamente. Em relação a 2018, verifica-se uma diminuição de 24,4% em Lisboa e um aumento de 29,1% no Porto.

Os distritos com decréscimos mais acentuados são Vila Real (-43,8%), Évora (-38,5%), Beja (-28,6%), Lisboa (-24,4%), Viseu (-22,2%), Portalegre (-20%) e Madeira (-18,5%). Os distritos que revelam um aumento mais notório são Horta (+200%), Ponta Delgada (+125%), Bragança (+120%), Angra do Heroísmo (+ 66,7%), Coimbra (+ 47,8%), Braga (+36%) e Faro (+35.7%).

Em termos globais, no acumulado de 2019, registam-se aumentos nas insolvências em nove distritos (40,9% do total de distritos) que representam 24,5% do total de ações de insolvência. Temos também nove distritos com reduções, responsáveis por 362 ações de insolvência, que correspondem a 35,9% do total de ações no período. Sem variações relativamente a 2018 surgem os distritos de Leiria, Santarém e Setúbal, que totalizam 141 ações e representam 14% do total de insolvências.

Os sectores com diminuição no número de insolvências são eletricidade, gás, água (-66,7%), indústria extrativa (-50%), construções e obras públicas (-10,1%), comércio por grosso (-9,8%) e outros serviços (-5,3%). Os aumentos surgem nas atividades de telecomunicações (+100%), transportes (+36,8%), indústria transformadora (+26,6%), agricultura, caça e pesca (+25%), comércio a retalho (+8,4%) e hotelaria e restauração (+1,3%). Com variação zero surge o sector de comércio de veículos com 36 insolvências.

Mais 899 novas empresas em termos homólogos

As constituições de empresas no segundo mês do ano passaram de 3.769, em 2018, para 4.668, em 2019, mais 899 novas empresas em termos homólogos (aumento de 23,9%). No acumulado do ano foram já constituídas 11.330 novas empresas, mais 25,1% que em 2018 e mais 44,5% que em 2017.

Os números mais significativos verificam-se em Lisboa, com 3.569 novas empresas constituídas (+15%), e no Porto, com 2.062 empresas (+24,4%). Setúbal regista 886 constituições (+33,2%) seguido de Braga (859 empresas e um aumento de 32%), Faro (672 empresas e um crescimento de 20,9%), Aveiro (551 empresas, +30,5%), Leiria (459 empresas, +35,4%), Coimbra (343 empresas, + 42,3%), Santarém (332 empresas, acréscimo de 39,5%) e Viseu com 255 empresas e um aumento de 30,8% face a fevereiro de 2018.

Apenas o distrito de Angra do Heroísmo vê as constituições descerem, de 31, em 2018, para 27, em 2019 (-12,9%).

Com maiores variações surgem os sectores de transportes, que evolui de 316, em 2018, para 743, em 2019 (aumento de 135,1%), construção e obras públicas, de 960 para 1.445, em 2019 (+50,5%), indústria extrativa, com 14 novas constituições versus 10, em 2018 (+40%), agricultura, caça e pesca, de 232 para 322, em 2019 (+38,8%), e indústria transformadora, que aumenta de 526 para 675, em 2019 (+28,3%). Apenas o sector de telecomunicações regista um decréscimo de 8,3% relativamente a 2018, passando de 24 para 22 novas constituições em fevereiro de 2019.

Amazon vai lançar uma nova cadeia de supermercados

Cinco marcas portuguesas nas primeiras posições do ranking das mais reputadas