in

Armazenagem e transporte rodoviário de mercadorias aumentaram 90% o seu volume de negócios

Foto Shutterstock

As áreas de armazenagem e de transporte rodoviário de mercadorias tiveram um aumento de 90% de volume de negócios, entre os anos de 2014 e 2018. Esta é uma das conclusões apresentadas pela APLOG – Associação Portuguesa de Logística e pela KPMG Portugal, na sequência de uma exaustiva análise ao sector logístico português.

Este estudo vem trazer-nos uma visão global, agregadora e objetiva, cuja riqueza de conteúdos garante potenciar o conhecimento e assegurar melhorias do longo da cadeia. Constituirá um instrumento fundamental para novos investimentos, permitindo (re) definir estratégias, (re) pensar processos e (re) formular competências no contexto dos desafios atuais e futuros”, comenta Raul Magalhães, presidente da direção da APLOG.

No último ano, a crise pandémica teve efeitos distintos, e muitas vezes contrários, no comportamento da procura nos diversos canais de vendas, nas lojas físicas versus o comércio eletrónico, e nas categorias de produtos comercializados. A pandemia fez também disparar a volatilidade e a imprevisibilidade da procura, o que obrigou as empresas do sector logístico a reconfigurarem as suas redes de distribuição, em colaboração com os fornecedores, e a dotar o processo de compra com maiores digitalização e omnicanalidade.

Outra das principais conclusões, na ótica da procura, está relacionada com a sustentabilidade, ou seja, aumentou a opção por meios de transporte menos poluentes, sendo este, provavelmente, um dos maiores desafios do sector logístico, face ao investimento necessário.

Já na perspetiva da oferta, é de assinalar que o sector dos operadores e dos integradores logísticos apresentou um crescimento assinalável, superior a 20%, no período de 2014 a 2018. De notar ainda que a empresas de serviços logísticos estão a transitar de um paradigma de “serviço” para um paradigma mais completo e complexo de “solução”.

A logística é cada vez mais a face visível (e, por vezes, a única face física) numa jornada de experiência de cliente. Esta constatação é verdade para muitas categorias e muitas empresas e está apenas a ser acelerada num contexto de pandemia”, sublinha Fernando Mascarenhas, partner de Advisory da KPMG Portugal.

 

Estudo

Estas e outras conclusões estão presentes no estudo “A Logística em Portugal – Inovação, Tendências e Desafios do Futuro”, realizado pela APLOG – Associação Portuguesa de Logística e pela KPMG Portugal. Num contexto pandémico, no qual o sector tomou proporções e dimensões muito relevantes, este estudo pretende ser a referência no mercado onde a informação sobre o sector é escassa e desagregada.

Questões como a importância da logística para o desenvolvimento da economia nacional, quem são os atores críticos no país, como comparamos a realidade portuguesa com o benchmark internacional e quais os grandes riscos e oportunidades para a logística nos próximos anos são alguns dos temas refletidos neste estudo.

Publicidade

Nivea-refill

Beiersdorf testa sistema de recarga para o gel de banho Nivea

Nike

Nike vai revender calçado usado para reduzir resíduos