in

ALF revela o impacto da pandemia no sector em 2020

Apesar do ano absolutamente atípico, o financiamento especializado manteve o seu peso no mercado nacional, continuando a assegurar um contributo para a formação do PIB português, confirma a Associação Portuguesa de Leasing, Factoring e Renting (ALF).

 

Factoring

Numa conjuntura económica de contração devido à pandemia de Covid-19, o factoring registou um decréscimo total de 6,9%, em 2020, totalizando 31,5 mil milhões de euros em créditos tomados. Pela primeira vez em seis anos, o sector registou uma quebra no crescimento, contudo inferior à de 7,6% verificada no PIB português, segundo a estimativa divulgada pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). Desta forma, estima-se que, em 2020, o factoring tenha aumentado o seu peso no PIB nacional para cerca de 16%.

O factoring doméstico manteve a tendência geral, diminuindo 6,4%, com valores de produção na ordem dos 15,1 mil milhões de euros. Na vertente internacional, a quebra foi de 17,7%, totalizando 3,9 mil milhões de euros em créditos tomados, dos quais 3,7 mil milhões de euros no factoring à exportação (redução de 18,4%) e 195 milhões de euros no factoring à importação (crescimento de 0,1%).

No confirming (serviço em que a instituição de factoring efetua o pagamento aos fornecedores do seu cliente, podendo estes solicitar a antecipação do mesmo), observou-se um decréscimo de 3,6% da atividade, traduzindo-se em 12,5 mil milhões de euros em créditos tomados.

 

Renting

Os resultados apresentados pela ALF para o sector do renting revelam, também, uma quebra na trajetória de crescimento observada nos últimos anos, revelando uma redução de 27,5% no número de viaturas adquiridas em 2020, face a 2019, com um total de 27.115 veículos adquiridos em renting (dos quais, 22.451 correspondem automóveis ligeiros de passageiros e 4.664 ligeiros comerciais). Este recuo no sector é, contudo, menor do que o manifestado no mercado automóvel português, que deverá ter sofrido uma perda de 33,9% em 2020, face ao período homólogo.

A desaceleração no renting corresponde a uma diminuição de 26,8% no valor de produção anual, para 557,3 milhões de euros, comparativamente a 2019, em que ascendeu a 761,4 milhões de euros).

A dimensão total deste sector acabou por diminuir apenas marginalmente face à produção nova, com a frota total gerida pelas empresas de renting a contrair apenas 2,4% em número de viaturas, totalizando 118.805 viaturas, no valor de 1,91 mil milhões de euros (menos 1,1% do que no ano transato), resultados para os quais contribuíram o prolongamento dos contratos que terminavam em 2020.

 

Leasing

Em 2020, de acordo com as estimativas da ALF, o leasing apoiou investimentos de 2,4 mil milhões de euros, com uma queda de 22,3% no total da produção, em comparação com 2019.

A menor quebra foi observada na locação financeira imobiliária, que registou um decréscimo de 12,5% em valor, com uma produção de 740 milhões de euros, sendo que, em 2020, 90% do valor destes investimentos foi alocado a contratos efetuados por empresas ou entidades públicas.

Já a locação financeira mobiliária foi responsável por 1,6 mil milhões de euros em investimentos, menos 26,0% do que em 2019. Perto de 1,04 mil milhões de euros do total foi investido na contratualização de viaturas em leasing, que correspondem a 33.411 contratos: 795 milhões de euros foram aplicados em viaturas ligeiras (dos quais, 553 milhões foram contratualizados por empresas e 241 milhões de euros por particulares) e 249 milhões de euros em viaturas pesadas. Os remanescentes 566 milhões de euros foram investidos em equipamentos, correspondendo a 8.454 contratos, segundo os dados estimados.

 

Financiamento especializado

Para o presidente da ALF, Alexandre Santos, “apesar das quebras observadas, o financiamento especializado demonstrou manter o seu peso na economia portuguesa e importância para o tecido empresarial, continuando a disponibilizar o seu apoio e, até, reforçar a sua importância, como no caso do factoring, que assume um peso preponderante face ao PIB nacional, e do renting, no sector da mobilidade automóvel”.

O porta-voz da ALF destaca ainda que 2021 iniciou com a esperança de que a existência de planos sanitários e de recuperação económica possam contribuir para alguma recuperação, “mas nada se produzirá de forma automática e cada um terá de contribuir à medida das suas possibilidades para um processo de regresso ao crescimento económico, que não estará isento de contrariedades. Os sectores representados pela ALF são responsáveis por injetar confiança no mercado e contribuir enquanto agentes de transformação positiva. Sem uma recuperação do mercado não se alcançarão objetivos ,como a renovação do parque automóvel, com vista à redução de emissões de CO2, para a qual o renting e leasing muito têm contribuído com um crescente número de matrículas de elétricos ou propulsionados por energias alternativas”.

Publicidade

Cerelac NutriPuffs

Nestlé lança novos snacks de cereais de fruta Cerelac NutriPuffs

Metro

Grupo Metro melhora rentabilidade no primeiro trimestre fiscal