in

Wall Street e as grandes empresas rebelam-se contra o veto da imigração de Trump

A Bolsa caiu e multinacionais como a Goldman Sachs, a Ford e a Nike declararam-se contra a política de imigração do novo presidente norte-americano. A Microsoft, inclusive, está a colaborar com o procurador-geral do estado de Washington para travar o veto de Donald Trump.

As empresas e os investidores começam a virar as costas às políticas precipitadas de Donald Trump, o novo presidente dos Estados Unidos. Depois de semanas em alta, e ignorando a incerteza que poderia desencadear a Administração de Trump, Wall Street ficou contagiada pelo medo e fechou a sua pior sessão este ano. O Dow Jones caiu 0,61%, para 19,.970 pontos, o S&P 500 desceu 0,6% até 2.280 pontos e o Nasdaq Composite perdeu 0,83%, para 5.613 pontos. Enquanto isso, alguns dos gestores mais reconhecidos do país mostraram a sua rejeição às políticas de imigração de Trump.

A Microsoft foi mais além da rejeição e anunciou que já colabora com o procurador-geral do estado de Washington, onde está sediada a empresa, para tentar paralisar o decreto proibindo a entrada de imigrantes de sete países árabes, de acordo com Reuters. A gigante do software informou que está a fornecer à justiça informações sobre o impacto da medida nos trabalhadores e será “um prazer testemunhar, se necessário“, segundo disse o porta-voz Pete Wootton, em comunicado.

Lloyd Blankfein, CEO do Goldman Sachs, assegurou que “não apoia” a decisão do presidente. O gestor enviou uma mensagem aos seus funcionários informando que “para que tenhamos sucesso, os nossos homens e mulheres devem refletir a diversidade das comunidades e culturas em que atuamos“. Lloyd Blankfein reconheceu que a ordem de Donald Trump pode envolver uma “potencial perturbação” de atividades do banco, visto que parte da sua força de trabalho pode ser afetada diretamente pelo veto. A Goldman Sachs é o banco favorito de Trump e de onde recrutou três pessoas chave para a sua equipa.

Por seu lado, o CEO da Ford, Mark Fields, e o seu presidente, Bill Ford, assinaram uma declaração em que revelaram a sua oposição à política de  Donald Trump e onde apoiam a promoção de valores como “o respeito e a inclusão“.

Entretanto, o presidente e CEO da Nike, Mark Parker, afirmou que os valores da diversidade “estão a ser ameaçados por uma ordem executiva nos EUA, que proíbe a entrada de refugiados, assim como turistas, de sete países de maioria muçulmana. Esta é uma política que não apoiamos“. A Nike veio apoiar, assim, o atleta de origem somali Mohammed ‘Mo’ Farah, que teme que a ordem de o possa afetar. “Eu sou um cidadão britânico que vive nos Estados Unidos da América nos últimos seis anos, trabalhando duro, contribuindo para a sociedade, pagando os meus impostos e criando os meus quatro filhos no país a que chamam de casa. É preocupante que agora seja preciso dizer-lhes que o pai pode não voltar a casa e explicar-lhes que o presidente impôs uma política da ignorância e do preconceito“, disse Mo Farah através das redes sociais.

Enquanto isso, Howard Schultz, presidente da Starbucks, expressou a sua condenação ao veto ao afirmar que a empresa vai contratar dez mil refugiados ao longo dos próximos cinco anos. Também pediu para construir “pontes e não muros” com o México, onde a Starbucks tem 600 lojas e mais de sete mil funcionários.

Os grandes diretores dos gigantes tecnológicos de Silicon Valley também levantaram as suas vozes contra as medidas presidenciais.

Publicidade

Koobby cria plano de treinos para ação da Perfumes & Companhia

Telecomunicações e energia continuam a ser os sectores com mais reclamações