in

Vendas dos lojistas registam quebras de 37% face a 2019

Vendas nas lojas de rua regista pior performance que em junho

Rua Augusta, em Lisboa Foto Shutterstock

A Associação de Marcas de Retalho e Restauração (AMRR) apresentou o resultado do Observatório AMRR, que permite verificar as vendas semanais das lojas de rua e de centros comerciais desde que a pandemia começou. Em julho, o cenário foi ligeiramente menos negativo em todo o país, com a quebra de vendas a registar 36,8% face ao mesmo período do ano passado (em junho foi de 40%), apesar de em Lisboa a quebra ter sido superior (menos 42,8% face ao período homólogo do ano passado) e pior do que o mês de junho (42,5%).

Nas vendas das lojas de centros comerciais, a quebra do mês de julho foi de 36,5% face ao ano passado, enquanto nas lojas de rua as quebras se situam nos 37,4%.

 

Restauração mais afetada

Por sector de atividade, a restauração continua a ser o mais afetado, com a descida das vendas a registar 49,1%. No sector de retalho, a queda é de 34,3% e no de serviços 38,5%. “O cenário continua bastante negro. Esperávamos, nesta fase, melhores resultados. Caminhamos para um ano desastroso para o sector”, avança Miguel Pina Martins, presidente da AMRR. “Continuamos a investir nas ações de promoção de vendas para contrariar este cenário. Todos os lojistas, tanto os de rua como os dos centros comerciais, têm feito um esforço enorme nesse sentido”.

Publicidade

Crise

Metade das empresas portuguesas tem continuidade do negócio em risco

DB Schenker #WeKeepEuropeMoving

DB Schenker lança campanha #WeKeepEuropeMoving para acompanhar a Europa rumo a um novo normal