in

Vendas do Freeport Fashion Outlet estabelecem novo recorde em 2015

O Freeport Fashion Outlet registou em 2015 um recorde de vendas ao crescer 6,2% face a 2014, ano em que completou 10 anos de operação.

O crescimento foi “reflexo da atração de visitantes nacionais e internacionais, do aumento do valor médio de compra e do reforço da oferta de marcas nacionais e internacionais que incluíram a chegada da Trussardi, Ecco, Eureka e Boutique dos Relógios.

Este recorde de vendas constitui um resultado muito positivo atendendo ao desempenho do mercado português de retalho não alimentar, o qual, segundo dados do INE de novembro, registou um crescimento de 1,1% nos últimos 12 meses.

Em 2015, o número de visitantes do centro registou também um crescimento de 3,8% repartido entre visitantes nacionais e internacionais. A aposta estratégica no turismo de compras continuou a constituir-se como um vetor de crescimento, com as vendas a clientes extracomunitários a crescer 13% em valor, e a registar um aumento de 4% na compra média destes visitantes (dados Global Blue – Tax Refund). Os países extracomunitários mais importantes nas vendas do outlet em 2015 foram Angola, Brasil e China, com os visitantes chineses a representar uma subida de 77% no volume de compras face ao ano transato.

Para Nuno Oliveira, diretor-geral do Freeport Fashion Outlet, “este novo recorde de vendas, após o recorde de vendas com que celebrámos o nosso 10º aniversário, mostra que estamos numa rota de crescimento sustentado e que as opções estratégicas que tomámos foram bem-sucedidas.

Este é o primeiro ano da segunda década de operação do centro e estes resultados deixam-nos muito otimistas”, acrescenta o mesmo responsável.

O último exercício foi marcado pela abertura no Freeport Fashion Outlet das lojas Trussardi, Ecco Eureka e Boutique dos Relógios, sendo que para 2016 se encontram já confirmadas as aberturas das insígnias Coach e El Ganso, ainda durante o primeiro trimestre de 2016.

Publicidade

Nestum lança duas novas variedades com Aveia

70% dos habitantes serão utilizadores móveis em 2020