in ,

Unilever compromete-se com um salário mínimo em toda a cadeia de valor até 2030

Foto Shutterstock

A Unilever confirmou que todos os que fornecem bens e serviços diretamente para a empresa vão ganhar, pelo menos, um salário mínimo até 2030.

A empresa vai gastar dois mil milhões de euros por ano, até 2025, com empresas fornecedoras que pertençem e sejam administradas por pessoas de grupos sub-representados, disse a multinacional em comunicado.

Esses fornecedores serão empresas de pequena e média dimensão e geridas por mulheres, grupos raciais e étnicos sub-representados, pessoas com deficiência e LGBTQI+.

A medida faz parte dos compromissos anunciados pela Unilever de ajudar a construir uma sociedade mais justa e inclusiva, elevando o padrão de vida em toda a sua cadeia de valor, criando oportunidades através da inclusão e preparando as pessoas para o futuro do trabalho. “As duas maiores ameaças que o mundo enfrenta hoje são as mudanças climáticas e a desigualdade social“, sublinha o CEO da Unilever, Alan Jope. “Acreditamos que as ações com as quais nos comprometemos farão da Unilever um negócio melhor e mais forte, pronto para as enormes mudanças sociais que vivemos hoje, mudanças que só vão acelerar. Sem uma sociedade saudável, não pode haver um negócio saudável”.

 

Salário mínimo

Um salário mínimo é definido como o rendimento mínimo necessário para um trabalhador atender às suas necessidades básicas e é superior ao salário normal. Permite que os trabalhadores participem plenamente nas suas comunidades e ajuda a quebrar o ciclo da pobreza.

Já pagamos aos nossos funcionários, pelo menos, um salário mínimo e queremos garantir o mesmo para mais pessoas, além da nossa força de trabalho, visando especificamente os trabalhadores mais vulneráveis ​​na indústria e na agricultura”, diz a empresa.

A Unilever trabalhará com os seus fornecedores, outras empresas, governos e organizações não governamentais, através de práticas de compra, colaboração e promoção, para criar uma mudança sistémica e a adoção global de práticas de salário mínimo.

Paralelamente, a multinacional também ajudará cinco milhões de pequenas e médias empresas (PME) na sua cadeia de valor de retalho a expandir os seus negócios, por meio do acesso a conhecimento, financiamento e tecnologia até 2025.

Publicidade

Godiva

Godiva deixa a América do Norte

Cais Logístico

Procura de novos centros de distribuição intensifica com a pandemia