in ,

Um terço dos alimentos produzidos no mundo acaba no lixo

Todos os anos, 600 milhões de toneladas de alimentos, no valor aproximado de de 1,04 mil milhões de euros, são perdidos ou desperdiçados. Valor que corresponde a um terço do total de alimentos produzidos a nível mundial.

Estes são dados de um estudo da The Boston Consulting, que estima que, em 2030, a perda ou desperdício anual de alimentos cresça para 2.100 toneladas e um valor de 1,30 mil milhões de euros. 

O uso indevido dos recursos está a converter-se num problema a nível mundial e a atingir um nível crítico. Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas preveem a redução para metade do desperdício alimentar até 2030, dado o alcance das implicações desta prática. Segundo a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação e o Instituto de Recursos Mundiais, o desperdício alimentar representa 8% das emissões mundiais com efeito de estufa, numa altura em que 870 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de desnutrição. 

A The Boston Consulting identificou cinco fatores determinantes deste problema que, se abordados, poderão reduzir o seu valor e, quase 605 milhões de euros: consciencialização, infraestrutura da cadeia de abastecimento, eficiência da mesma, colaboração e legislação. De acordo com o estudo, o problema reside no facto da luta contra o desperdício alimentar ser abordada de um modo fragmentado e com uma resposta global limitada e claramente insuficiente para a sua magnitude. Nos países desenvolvidos, os resíduos são gerados principalmente pelos retalhistas e consumidores, enquanto nas economias em desenvolvimento se devem aos processos de produção. 

As empresas que desempenham um papel importante na cadeia de valor podem ser agentes da mudança. Alcançar um avanço significativo na resolução deste problema exige o compromisso e a ação coordenada dos consumidores, governos, organizações não governamentais, agricultores e produtores. 

Publicidade

Per Kaufmann é o novo CEO da MediaMarkt Ibéria

Jungheinrich aposta no pós-venda com aplicação Call4Service