in ,

Uber Eats lança nova solução low cost para restaurantes

O Uber Eats anunciou uma nova opção para restaurantes: Pedidos Online. De acordo com a plataforma, esta nova opção permite aos restaurantes reduzir os seus custos com o “delivery”, construir a sua própria base de clientes e fazer tudo isto através de uma ligação direta dos seus canais online próprios à plataforma logística e de tecnologia da Uber.

Desde o início da pandemia que estamos atentos ao que os restaurantes e comerciantes parceiros e potenciais parceiros precisam. Ouvimos as suas preocupações e ‘feedback’ sobre a experiência do ‘delivery’, todos os dias, e, percebendo a necessidade de oferecer alternativas mais acessíveis, que permitam aos nossos parceiros aumentar os canais de vendas aos seus clientes, desenvolvemos este serviço para os apoiar neste período de crise”, afirma Diogo Aires Conceição, diretor geral do Uber Eats em Portugal.

 

Pedidos Online

A nova funcionalidade vai permitir aos restaurantes que aderirem receber pedidos de entrega e de recolha através do seu próprio website, mas com toda a tecnologia, rede de parceiros de entrega, o serviço de pagamentos e suporte ao cliente do Uber Eats. Este serviço terá uma taxa de serviço descontada de 10%.

Este novo serviço vai estar disponível para todos os novos restaurantes e comerciantes e para os mais de seis mil já disponíveis na plataforma em todo o país.

Esta nova funcionalidade será importante para nós, na medida em que será um canal adicional de ‘inputs’ no processo, que fará aumentar a procura e, consequentemente, os ‘outputs’, ou seja, as vendas. Por outro lado, permite fundir a procura dos nosso artigos tanto por parte dos utilizadores Uber Eats como dos clientes Café Santiago, gerando um processo ordenado de execução dos pedidos, bem como uma rápida distribuição pelos inúmeros estafetas agregados ao Uber Eats” afirma Rui Pereira, proprietário do Café Santiago.

Publicidade

trabalho

Um terço dos trabalhadores considera mudar de trabalho no âmbito da pandemia

comércio

Comércio de mercadorias resiste à Covid-19