in

Taxa de crescimento FMCG quadruplicou para 10% a nível mundial. E-commerce cresceu 45%

Kantar revela os hábitos de compras da pandemia em 2020

Foto Shutterstock

Em 2020, o sector dos Fast Moving Consumer Goods (FMCG) cresceu, a nível mundia, 10%, um valor sem precedentes e que compara com os 2,5% de crescimento em 2019.

O relatório “Winning Omnichannel” da Kantar faz um sumário sobre as compras de mais de um milhão de compradores, a nível global, representando o comportamento de cinco mil milhões de pessoas (66% da população mundial) e 83% do PIB mundial. E conclui que a compra de comida aumentou 11,4%, uma vez que os lares passaram a fazer mais refeições em casa, e que as vendas de produtos de cuidado do lar cresceram 9,8%, à medida que foi aumentando o foco na higiene e limpeza, de forma a manter a segurança.

Com a falta de interação social, o sector de saúde e beleza ficou estável (0,1%), em comparação com o ano de 2019, em que foi o sector que mais cresceu. Com a importância de lavar as mãos, os produtos de lavagem de mãos e de corpo aceleraram de um crescimento de 6% para 16%.

As vendas online aumentaram 45,5%, com os lares a optarem por compras de supermercado online. O comércio eletrónico representa, agora, 6,5% das vendas de mercearia em todo o mundo.

Os Estados Unidos da América foram o mercado que mais cresceu (14%), seguidos pela Europa Ocidental (11,2%), a América Latina (10,1%), a Europa de Leste (6,6%) e a Ásia (3,1%)

 

Consumo dentro do lar

Apesar de as vendas de FMCG para consumo dentro do lar atingirem os 10%, em 2020, a combinação entre “in-home” e “out-of-home” revela um declínio entre 2% a 5% para os sectores de comida e bebidas (excluindo bebidas alcoólicas).

Bebidas, lacticínios e alimentação, que representaram 74% do valor total do FMCG em 2019, cresceram 8,6%, 10,3% e 11,4%, respetivamente, com o consumo fora a ser transferido para dentro de casa, em grande parte do ano de 2020. Do top 20 de categorias mais impactadas positivamente pela Covid-19, 15 pertencem a estes sectores. O crescimento das vendas de açúcar e a adoçantes, ervas e temperos e azeite demonstra que se cozinhou mais em casa.

2020 colocou-nos mais longe dos bares e dos restaurantes, por isso, a compra de bebidas alcoólicas para dentro de casa aumentou 11%, comparando com os 2% em 2019 (América Latina, Europa Ocidental e Ásia).

2020 foi um ano transformador para os FMCG. Quando fizemos as nossas previsões, em 2019 (antes de existir Covid-19), esperávamos o crescimento dos FMCG perto dos 2,5%”, explica Stéphane Roger, Global Retail & Shopper Director na Kantar, Worldpanel Division. “Desde o açambarcamento para fazer stock no primeiro trimestre, passando pela transferência do consumo fora para dentro de casa e a falta de interação social, os impactos foram sentidos em todas as regiões, países, canais, sectores e categorias. Este contexto demonstrou a importância de adaptação ao desconhecido, para encontrar novas oportunidades de crescimento. Embora o FMCG tenha beneficiado da pandemia, nenhum crescimento é constante para sempre, destacando a importância de compreender a evolução das tendências e comportamentos do consumidor e adaptar-se a eles”.

 

E-commerce duplicou o seu crescimento

A pandemia acelerou o crescimento do e-commerce em quase todos os mercados. Um adicional de 5% das famílias globais fez as suas compras de supermercado, pelo menos, uma vez online, em 2020, o que equivale a 67 milhões de famílias adicionais. Em 2019, o e-commerce teve uma quota de mercado 4,9% no total de FMCG, em 2020, com um crescimento de 45,5%, aumentou a sua quota para 6,5% das vendas globais de FMCG. Para efeito de comparação, o crescimento do e-commerce, em 2019, foi de 18,9%.

Publicidade

Coca-Cola

Nasce a Coca-Cola Europacific Partners

Heineken

Heineken compromete-se a alcançar a neutralidade de carbono na produção em 2030