in

Sogrape chega a Lisboa com a aquisição da Quinta da Romeira

Dinamizar a região é o grande objetivo

Com a aquisição Quinta da Romeira, em Bucelas, a Sogrape entra no coração de uma das mais admiradas e reconhecidas regiões de vinho em Portugal e que tem vindo a conquistar cada vez mais consumidores a nível mundial.

A aquisição da Quinta da Romeira, com 75 hectares de vinha, a maior folha de Arinto do país, simboliza a entrada da Sogrape na região de Lisboa. “Entrar em Lisboa era, para a Sogrape, obrigatório. E fazê-lo através da sub-região de Bucelas é, para nós, um enorme motivo de alegria e orgulho, mas também de grande responsabilidade”, comenta Fernando da Cunha Guedes, CEO da Sogrape.

Fundada em 1942, com Mateus Rosé como joia da coroa, a empresa passou, entretanto, por um período de diversificação nacional e internacional e hoje o seu nome é uma referência quando se pensa no Douro (Casa Ferreirinha) e em Vinho do Porto (Sandeman, Ferreira e Offley), no Dão (Quinta dos Carvalhais), no Vinho Verde (Gazela e Azevedo) e no Alentejo (Herdade do Peso). Às portas de uma capital que luta contra a crescente pressão urbanística, existe uma histórica denominação de origem. “É uma denominação de origem muito especial, onde reina uma grande casta e se produzem vinhos de excecional qualidade”, reconhece Fernando da Cunha Guedes.

Partindo de Bucelas e, em particular, da Quinta da Romeira, que possui marcas reconhecidas como Prova Régia e Morgado de Sta. Catherina, a Sogrape tem previstos investimentos em toda a cadeia de valor, desde a viticultura, passando pela enologia até ao mercado, para desenvolver um projeto sustentado e de longo prazo na região de Lisboa. Tirar partido do bom momento que vivem estes vinhos e, simultaneamente, contribuir para dinamizar a região é o grande objetivo da Sogrape.

PepsiCo testa entregas com robots autónomos

Nestlé adota Workplace do Facebook