in

Regresso dos Tapada de Coelheiros

Apenas produzidos em anos de grande qualidade, os Tapada de Coelheiros Branco e Tapada de Coelheiros Tinto estão de volta ao mercado.

A Herdade de Coelheiros, localizada em Igrejinha, no concelho de Arraiolos, produz, desde 1991, alguns dos vinhos mais reputados da região do Alentejo, a partir de vinhas abraçadas por montado, pomares de nogueiras, pinhal, olival e vida selvagem. Atualmente, a área de vinha em Coelheiros, dividida em nove parcelas, é de 50 hectares, representando apenas 6% da área total da herdade. Entre as suas principais características é possível evidenciar uma grande amplitude de exposição solar e diferentes altitudes, solos, castas e culturas adjacentes, o que lhe confere uma paleta muito variada de vinhas.

Em 2015, Coelheiros iniciou um processo de conversão para agricultura biológica, incluindo também várias experiências em biodinâmico e a realização de enxertias e replantações para castas mais bem-adaptadas ao clima e maioritariamente portuguesas, em mais de metade da área plantada. Com esta lógica de produção em conjunto, com a harmonia entre as diferentes culturas, impacta positivamente a cultura da vinha, permitindo que esta se autorregule, cada vez com menos intervenção externa.

É também esta filosofia dos novos Tapada de Coelheiros Tinto 2015 e Tapada de Coelheiros Branco 2017. Feito a partir de Cabernet Sauvignon (70%) e Alicante Bouschet (30%), o Tapada de Coelheiros Tinto é um vinho histórico, produzido pela primeira vez em 1991. Tem origem na Vinha da Leonilde, uma das primeiras vinhas de Cabernet Sauvignon da região, plantada em 1981, e na Vinha Sobreira de Cima, a mais alta da herdade (altitude média de 300 metros) que produz, maioritariamente, Alicante Bouschet.  “O resultado é um vinho que revela muita definição de aroma, marcado por fruta negra, especiarias, tabaco, alguma caruma e um ligeiro cacau. No paladar, mostra o seu perfil elegante, com uma acidez muito viva evidenciando a frescura característica da Herdade de Coelheiros. Expressa tanino de textura atrativa, afinada pelo tempo em garrafa, e bastante personalidade, mas sem nunca perder a finesse. Um final suculento resultando num vinho todo ele sofisticação, precisão e elegância. Com um potencial de envelhecimento de 15 anos, o Tapada de Coelheiros Tinto 2015 afirma-se como escolha obrigatória para qualquer garrafeira”, diz o produtor em comunicado.

Feito a partir de Arinto (50%) e Roupeiro (50%), provenientes da Vinha da Sobreira, uma vinha de sequeiro com um coração de montado, de onde são produzidas uvas que normalmente sofrem maturações lentas, tardias e muito consistentes, o Tapada de Coelheiros Branco foi produzido pela primeira vez em 1995. “A colheita de 2017 evidencia no nariz uma componente floral a lembrar camomila, tília e fruta branca envolvida em apontamentos de menta.  Na boca, é bem estruturado, com textura envolvente e sedosa/aveludada. É um vinho com dimensão de boca, acidez vibrante a conduzir para um final longo e persistente. O potencial de envelhecimento é de 10 anos e a produção foi muito reduzida, estando apenas disponíveis para o mundo inteiro cerca de cinco mil garrafas”.

Ambos os vinhos já se encontram disponíveis no mercado nacional, contando com distribuição exclusiva da Heritage Wines.

Publicidade

Publicidade

DHL Supply Chain convida empresas portuguesas com presença em Espanha a apresentarem soluções inovadoras de logística

Rui Nabeiro é o vencedor do Prémio Carreira ACEPI Navegantes XXI