in

Real Companhia Velha lança nova edição do ‘Grandjó Late Harvest’

A Real Companhia Velha tem já no mercado a colheita de 2012 do seu ‘Grandjó Late Harvest’, uma edição que foi duplamente distinguida pelo crítico de vinhos João Paulo Martins: na Revista de Vinhos ao pontuá-lo com 18 valores, distingui-lo com o selo de “boa compra” e destacá-lo “para a cave”; e no seu Guia ‘Vinhos de Portugal 2016’ ao elegê-lo como o “Melhor(es) Vinho(s) de Colheita Tardia” que se produz no nosso país.

Feito 100% com uvas da casta Sémillon, provenientes de vinhas plantadas na Quinta do Casal da Granja, em Alijó – e por isso baptizado de Grandjó.

Esta foi a primeira colheita com a assinatura do enólogo Jorge Moreira, que o descreve como “um vinho limpo, brilhante e de cor amarelo dourado, demonstrando todas as características deste tipo de néctar. O aroma é complexo, com notas citrinas, de alperce, passas e mel, em combinação com nuances de baunilha e aromas tostados provenientes do estágio em madeira. Na prova, o ‘Grandjó Late Harvest 2012’ enche o paladar com uma doçura volumosa, uma untuosidade glicérica e um final de prova persistente. Graças à sua acidez viva e a combinação de nectár doce com um vasto leque de sabores, deixa o paladar limpo e fresco”.

Do ‘Grandjó Late Harvest’ foram produzidas apenas 6.600 garrafas de 375ml, à venda por 19 euros a garrafa, a solo ou em caixa de madeira com três unidades.

Publicidade

58% dos consumidores pagariam mais por produtos de empresas socialmente responsáveis

‘Concurso Queijos de Portugal 2015’ põe à prova 184 referências em 20 categorias