in

Quinta de S. Sebastião lança primeiro DOC Arruda

Quinta de São Sebastião

O lançamento do DOC Arruda tinto era um objetivo antigo da Quinta de S. Sebastião.

Após diversas solicitações, por parte do mercado, resolvemos lançar, num colheita 2019, a nossa interpretação para o perfil de um vinho da Arruda: a precocidade que caracteriza a Arruda em relação a outras denominações da região de Lisboa, mas também a frescura Atlântica, as temperaturas amenas das encostas viradas a nascente da Quinta de S. Sebastião e das diversas altitudes”, afirma o enólogo da quinta. “Este vinho é o resultado claro das vinificações adotadas em cada mancha dos nossos terrenos e a forma criteriosa como é gerida a extração durante a fermentação e posterior estágio”.

Filipe Sevinate Pinto acredita ter-se produzido um vinho de “extrema elegância, definição e frescura onde, subtilmente e em pano de fundo, aparece um apontamento da robustez, nervo e carácter que caraterizava os vinhos antigos da região”.

 

Arruda dos Vinhos

Desde o início do projeto vitivinícola da Quinta de S. Sebastião que a vontade do seu proprietário, António Parente, era colocar no mapa a região da Arruda dos Vinhos, unindo vários produtores locais sob a umbrela da quinta. “A Arruda dos Vinhos é o coração da nossa produção, as nossas uvas são produzidas em vinhas situadas dentro do concelho, com uma diversidade enorme de condições, e toda a nossa comunicação passa por este sentido de origem que acreditamos estar muito presente nos nossos vinhos”, considera Filipe Sevinate Pinto.

O Quinta de S. Sebastião DOC Arruda Tinto 2019 é um blend das castas Touriga Nacional e Tinta Roriz, de vinhas maioritariamente de encosta, ao alto, em solos argilo-calcários, com curtimenta clássica curta e estágio de 40% em barricas francesas de segunda e terceira utilizações.

Os vinhos S. Sebastião e Quinta de S. Sebastião são distribuídos em Portugal pela Vinalda, a mais antiga distribuidora nacional de bebidas, fundada em 1947.

Publicidade

Azeite: Acordo Interprofissional aguarda há 8 meses por aprovação

base de plantas

46% dos consumidores europeus reduziu significativamente o consumo de carne