edenred
in

“Queremos dar resposta a uma necessidade premente: a disponibilidade de tesouraria”

2020 é o ano em que mais restaurantes se viram forçados a encerrar portas e em que muitos se encontram ainda em dificuldades extremas. Uma das empresas com a missão de ajudar este sector, um dos mais afetados pela pandemia de Covid-19, neste momento crucial, é a Edenred. Mauro Borochovicius, CEO da Edenred Portugal, falou com a Grande Consumo sobre este apoio aos estabelecimentos do canal Horeca, que se vai traduzir numa distribuição de cerca de 200 mil euros pelos restaurantes nacionais que compõem a sua rede credenciada. Uma iniciativa que surge no âmbito da criação do fundo especial More Than Ever, através do qual o Grupo Edenred pretende apoiar, nos países onde opera, colaboradores e parceiros que foram significativamente impactados pelas medidas do estado de emergência.

 

Grande Consumo – No ano em que mais restaurantes se viram forçados a encerrar portas, com muitos ainda em dificuldades extremas, a Edenred assume como a sua missão ajudar este sector. Porquê?

Mauro Borochovicius – Tendo sido um dos sectores mais afetados pelas consequências do confinamento e pela própria imposição de medidas sanitárias restritivas, a restauração está a viver um momento extremamente difícil. Sabemos que a recuperação não será fácil e também não será possível sem a força de uma rede de apoio. Na Edenred, acreditamos que, além de fornecer as melhores soluções a clientes e utilizadores, é também a nossa missão criar valor para os nossos parceiros. Estar ao lado de todos os stakeholders, a todo o momento, antecipando e dando a melhor resposta às suas necessidades é o que nos distingue verdadeiramente, pelo que não poderíamos deixar de fazer algo num contexto como este.

Assim, vamos oferecer cerca de 200 mil euros a estabelecimentos do canal Horeca que integram a nossa rede credenciada, de norte a sul do país.

 

GC – Qual é o objetivo desta iniciativa de apoio aos estabelecimentos do canal Horeca?

MB – Queremos dar resposta a uma necessidade premente: a disponibilidade de tesouraria. O nosso objetivo é oferecer liquidez a estes estabelecimentos, dotando-os de uma maior capacidade para adquirir bens essenciais, fazer frente às necessidades do dia-a-dia e manter as portas abertas.
Para concretizar este objetivo, estamos a distribuir, por milhares de restaurantes parceiros, o cartão Euroticket+, pré-carregado com um valor que poderão utilizar para a aquisição de bens que lhes permitam continuar a servir os seus clientes.

Mas decidimos ir mais além e criámos o Programa Euroticket+, para que os restaurantes da nossa rede credenciada possam ter acesso a descontos e vantagens em produtos e serviços relacionados, direta e indiretamente, com a atividade, de forma a criar condições para que estes estabelecimentos consigam conquistar mais clientes e dinamizar o negócio.

 

GC – A Edenred Portugal vai distribuir cerca de 200 mil euros por restaurantes. Que fatores influenciam a escolha dos estabelecimentos beneficiados?

MB – Estando conscientes das dificuldades por que todos os restaurantes passam, nesta fase, e uma vez que não dispúnhamos de fundos ilimitados, tivemos que definir um critério, o que, confesso, não foi uma tarefa fácil. Fizemos uma análise exaustiva dos valores reembolsados aos nossos parceiros, no período imediatamente anterior à pandemia, e criámos escalões para distribuição da verba, tentando apoiar o maior número de estabelecimentos possível e focando-nos, sobretudo, nos pequenos negócios.

Contudo, importa destacar que todos os parceiros terão acesso ao programa de descontos Euroticket+. Além disso, esta não é uma ação isolada. Faz parte de um conjunto de iniciativas que a Edenred tem vindo a desenvolver em prol da comunidade, de entre as quais destacamos a criação da plataforma Ao Seu Lado, logo durante a primeira vaga da pandemia, a disponibilização da pesquisa de estabelecimentos com take away e delivery, através de geolocalização, na app MyEdenred e o lançamento de campanhas exclusivas, em conjunto com parceiros como a Makro e a Parmalat, para que os empresários da restauração beneficiassem de descontos na aquisição de produtos essenciais ao negócio.

 

GC – O que é o fundo More Than Ever? Como foram adquiridos os fundos que vão ser distribuídos pelos estabelecimentos nos vários países onde a Edenred está presente?

MB – O fundo More Than Ever, que agrega 15 milhões de euros a nível global, foi criado com o intuito de apoiar os proprietários de restaurantes assim como os colaboradores mais vulneráveis do grupo, que foram significativamente afetados pela pandemia nos diferentes países em que a Edenred está presente. O fundo foi financiado através da redução de 20% nos dividendos proposto para 2019 e da redução da remuneração do presidente, dos membros do comité executivo e dos membros do conselho de administração da Edenred. A Portugal, foram atribuídos cerca de 200 mil euros, os quais utilizámos para apoiar a nossa rede de parceiros.

 

GC – Que benefícios traz o programa Euroticket+ para os estabelecimentos nacionais?

MB – Gerando valor de forma sustentada, o Euroticket+ inclui, para além da oferta dos 200 mil euros, o acesso a um programa de descontos e benefícios, que contempla vantagens na aquisição de bens essenciais, campanhas promocionais em grandes marcas e outras oportunidades de negócio. Somados, estes benefícios poderão revelar-se tão ou ainda mais vantajosos quanto a distribuição do valor monetário. Entre as várias oportunidades de negócio que o cartão Euroticket+ oferece, foram criadas parcerias a pensar especialmente nos restaurantes e nas suas necessidades.

Tivemos várias marcas que fizeram questão de estar connosco desde o primeiro momento. A título de exemplo, através do programa, os nossos parceiros vão beneficiar de descontos em combustíveis das estações de serviço da Repsol, assim como na produção e impressão de todo o tipo de materiais gráficos ou merchandising na Spreading. Entre outras vantagens, terão ainda acesso gratuito à app Too Good To Go para rentabilizar o seu excedente e poderão até fazer parte, sem qualquer tipo de encargo, de uma rede de distribuição de ofertas de produtos.

Para o futuro, o nosso objetivo é continuarmos a criar parcerias relevantes para a atividade e para a recuperação dos restaurantes nossos parceiros.

 

GC – A Edenred é líder em Portugal no mercado de cartões refeição, com a maior rede de restauração do país. Quais são os principais benefícios da sua utilização para as empresas?

MB – Existem inúmeras vantagens associadas ao pagamento do subsídio de refeição em cartão. Destacam-se, obviamente, os benefícios fiscais: até ao limite legal de 7,63 euros por dia, as empresas beneficiam da isenção da tributação da TSU, a que se junta a isenção de IRS para os colaboradores. Estas vantagens podem representar uma poupança de cerca de 30% para a empresa no pagamento do subsídio, enquanto o colaborador beneficia de um aumento do poder de compra e de uma maior liberdade para fazer opções alimentares mais saudáveis, seja através da aquisição de refeições já preparadas, seja através da compra de bens alimentares nutricionalmente mais equilibrados para a confeção das suas refeições.

Esta é também uma forma mais simples de gerir este benefício, uma vez que a Edenred disponibiliza aos seus clientes um portal online que permite fazer toda a gestão, sem burocracias e com toda a autonomia. O mesmo é verdade para o colaborador, que tem ao seu dispor uma app inovadora e que lhe dá acesso a um conjunto amplo de vantagens e descontos diretos que potenciam o seu poder de compra e melhoram a sua qualidade de vida, como, por exemplo, o Plano de Saúde Medicare Silver Edenred.

Além das vantagens diretas para empresas e colaboradores, o pagamento em cartão refeição traduz-se ainda noutra vantagem muito importante para a economia e para o país, de que todos beneficiam. Conforme está preconizada na Edenred e, naquele que é o cumprimento rigoroso do quadro legal, a atribuição do subsídio no cartão Euroticket Refeição garante que o valor carregado será utilizado especificamente no sector alimentar. Ao funcionarmos numa lógica de rede, estamos a dinamizar a economia local, a gerar empregos e a impulsionar o crescimento do país. Num momento como o atual, este estímulo ao consumo em redes privadas é um grande ativo, para os governos e para todos nós.

Um pouco por toda a Europa, há diversas iniciativas a decorrer em que os governos recorrem a este tipo de ferramentas. O governo grego, por exemplo, atribuiu o vale-férias para estimular o consumo em estabelecimentos turísticos. E, em Portugal, também já temos exemplos disso. Na Edenred, temos trabalhado com diversas autarquias nesse sentido. O caso da Câmara Municipal da Amadora, com a qual trabalhámos para disponibilizar o Cartão Bens 1.ª, para suprir as necessidades básicas de alimentação dos munícipes em situação de carência económica e social, é o mais recente exemplo, mas há muitas outras ações deste género em desenvolvimento.

 

GC – Que balanço fazem deste último ano que, devido às circunstâncias atípicas, tanto afetou o negócio da restauração?

MB – A nossa capacidade de criar valor e o nosso modelo de negócio, resiliente e sustentado têm-nos permitido manter uma boa performance neste período conturbado. A nível global, nos primeiros nove meses, os nossos resultados são semelhantes aos do ano passado.

Para este balanço positivo muito contribuiu a aposta na digitalização da nossa oferta e a disponibilização imediata deste tipo de soluções que dão resposta às necessidades sociais e económicas.

 

GC – Foi imprescindível para a Edenred um novo posicionamento digital?

MB – A inovação e a digitalização são valores intrínsecos da Edenred. Não se tratou tanto de um novo posicionamento, mas sim de dar continuidade e intensificar aquela que era já a nossa aposta. A título de exemplo, habilitámos o MB WAY no Euroticket Refeição, para que os utilizadores pudessem fazer pagamentos com o telemóvel, sendo que esta era uma funcionalidade na qual já estávamos a trabalhar há algum tempo. A app MyEdenred, que desde 2018 é a mais inovadora do mercado, e o Portal Cliente já existiam. Auscultámos o mercado e decidimos antecipar a disponibilização de novas funcionalidades, capazes de facilitar o seu novo dia-a-dia. Acreditamos que, desta forma, aumentamos muito a nossa proposta de valor e é por isso que somos o companheiro diário das pessoas no trabalho.

 

GC – O canal de Horeca verá alguma recuperação na época festiva que se aproxima?

MB – Esta pandemia está a provocar a maior queda da atividade económica de que há memória no sector da restauração, que se encontra numa situação de asfixia. Tradicionalmente, há sempre uma maior dinâmica na época do Natal e Ano Novo, mas esta também estará dependente das medidas de contingência que possam vigorar nesse momento. De qualquer forma, acreditamos que o incremento que possa haver será sempre insuficiente para se poder falar de uma retoma nos próximos meses. É por isso que consideramos tão importante estar ao lado dos nossos parceiros nessa fase.

Auchan

Auchan Alverca comemora 27.º aniversário com renovação total da loja

embalagens

Devolução de embalagens de bebidas premiada em Lisboa