in

Portugueses registam máximo de confiança há três trimestres consecutivos

Foto Shutterstock

No último trimestre de 2019, os portugueses voltaram a mostrar-se mais confiantes do que os consumidores a nível europeu. Segundo os resultados do estudo “The Conference Board Global Consumer Confidence Survey”, conduzido em colaboração com a Nielsen, o grau de confiança registado entre os consumidores portugueses manteve o seu máximo histórico, acima da média europeia e superando os resultados de países próximos.

Portugal manteve, assim, no quarto trimestre o valor de 94 pontos já conseguido neste índice nos dois trimestres anteriores, o mais alto de sempre no país. Invertendo o seu histórico pessimismo, os portugueses revelaram um nível de otimismo superior ao da média europeia.

Quando inquiridos acerca da situação económica do país, cerca de metade dos inquiridos afirmam esperar boas ou excelentes perspetivas laborais e financeiras no próximo ano e mais de metade dos portugueses (55%) não considera que o país se encontre em recessão.  “A confiança foi uma constante entre os consumidores portugueses ao longo do último ano. Embora não seja possível prever, com toda a certeza, até quando esta tendência se irá manter, importa que marcas e retalhistas a consigam aproveitar e desenhar estratégias para potenciar um espírito que tem também efeitos no consumo. O desafio, neste momento, centra-se em apresentar uma oferta para uma disponibilidade acrescida para gastar, mas que apresente uma mais-valia que seja percetível para os consumidores, que responda às suas necessidades e anseios e se enquadre em preocupações e estilos de vida em transformação”, comenta Ana Paula Barbosa, Retailer Vertical Director da Nielsen Portugal.

Portugueses são dos que mais se preocupam com a saúde

Tendo vindo a ganhar cada vez mais importância nos últimos anos, a saúde consolidou a sua posição como a principal preocupação dos portugueses (30%). Portugal é agora o país da Europa Ocidental que revela maior preocupação com este tema, apenas precedido pela Finlândia (32%).

Esta preocupação tem um claro impacto nas tendências de consumo, observando-se dinamismo e bom desempenho de todas as categorias e inovações relacionadas com a saúde.

O equilíbrio entre a vida pessoal e profissional, que durante tantos anos ocupou o primeiro lugar nesta lista de preocupações, assume agora o segundo lugar, mas ainda com grande destaque. Os portugueses procuram cada vez mais produtos que lhes tragam conforto e conveniência, tornando a sua vida mais fácil.

Publicidade

Publicidade

Quais as marcas de vinhos preferidas pelos portugueses?

Comércio de rua e compras online continuam em alta