in

Portugueses estão mais propensos a viajar sozinhos

Foto Shutterstock

A eDreams, agência de viagens online, realizou um estudo no sentido de compreender de que forma a escolha da companhia para viajar é diferente para os portugueses após a situação de pandemia vivida nos últimos meses. Aproximadamente 52% dos  inquiridos afirmam que a pandemia não afetou a sua opção de companhia para viajar, enquanto cerca de 25% diz que a situação atípica “afetou ligeiramente” a sua escolha e os restantes 23% dizem ter sido “muito afetados”.

A combinação destes dois últimos números (48%) revela que, entre todos os inquiridos a nível europeu, os portugueses foram quem se sentiu mais afetado pela pandemia no que toca à sua escolha atual de companhia para viajar.

Entre os portugueses que se sentiram afetados, podemos ver que a opção de viajar sozinho é agora cada vez mais popular, tendo crescido 6% em relação às intenções que apresentavam antes da pandemia.

Todas as restantes opções, que envolviam viajar acompanhado, decresceram estatisticamente, sobretudo em relação às viagens com amigos, parâmetro que apresentou a maior descida (10%), seguindo-se as viagens com o/a parceiro/a (5%), com os pais (3%) e mesmo com os filhos (2%).

A realidade europeia

Este estudo foi realizado pela eDreams noutros mercados europeus (Alemanha, Espanha, França, Itália e Reino Unido), o que permite retirar algumas conclusões interessantes a nível do continente.

Tal como os portugueses, também a maioria dos europeus (69%) considera que a pandemia não afetou a sua escolha da companhia para viajar.

Corroborando também os resultados portugueses, a opção de viajar sozinho foi a única a crescer entre os europeus (11%) e as viagens com amigos as que apresentam uma maior quebra (menos 7%).

No entanto, o estudo permite ainda verificar que, entre aqueles que se sentiram afetados pela pandemia, as opções com mais diferenças em relação ao pré-pandemia são as viagens com amigos e com os pais.

Solo travel

Tendo compreendido que a tendência de viajar sozinho chegou para ficar, a eDreams procurou ainda recolher alguns dados que nos permitissem compreender melhor os hábitos dos portugueses que o fazem.

Assim, descobriu que os portugueses gastam, em média, 257 euros na compra das suas viagens a sós – a média europeia é de 283 euros, com os “solo travelers” do Reino Unido na frente dos gastos (336 euros) e os italianos no sentido contrário (220 euros).

Por outro lado, a maior parte dos portugueses que viajam sozinhos faz férias com duração entre sete e 13 dias (27%). Seguem-se as estadias entre três e quatro dias (21%) e depois com mais de 21 dias (18%).

Estes dados parecem indicar que os viajantes a solo preferem realizar viagens mais longas, o que é corroborado pelos dados a nível europeu: também a duração de sete a 13 dias é a preferida (29%), seguindo-se as viagens com mais de 21 dias (19%) e depois as de três a quatro dias dias (18%).

Finalmente, a eDreams descobriu ainda os destinos preferidos dos “solo travellers” portugueses: Paris, Luxemburgo, Funchal, Zurique e Londres.

Publicidade

Millennials

75% da Geração Z acredita que a Covid-19 levará a novas oportunidades de carreira

Heineken

Covid-19 impacta contas da Heineken