in

Portugal com uma das maiores descidas nas vendas a retalho face a março de 2020

Foto Shutterstock

Em março, as vendas a retalho em Portugal caíram 1,1%, face ao mesmo mês de 2020, uma das maiores quedas entre os Estados-membro da União Europeia, apenas superada pela da Hungria (-2,1%).

Os dados do Eurostat mostram que o índice cresceu 12% na zona da moeda única e 11,6% na União Europeia.

Na zona euro, o volume do comércio a retalho aumentou 25% nos produtos não alimentares, categoria onde as vendas pela Internet dispararam 37,2%, e 17,1% nos combustíveis. Já nos alimentos, bebidas e tabaco, comparativamente a março de 2020, as vendas caíram 1,1%.

No conjunto da União Europeia, as vendas de produtos não alimentares cresceram 23,6%. Nos combustíveis, o aumento foi de 14,1%, mas nos alimentos, bebidas e tabaco houve uma queda de 1,2%.

Entre os Estados-membro para os quais existem dados disponíveis, os maiores crescimentos foram observados na Eslovénia (24%), Dinamarca (22,65) e França (21,3%).

 

Crescimento face a fevereiro

Comparando com o mês anterior, em março, as vendas a retalho somaram 2,7% na zona euro e 2,6% no conjunto da União Europeia. Em fevereiro, o índice tinha aumentado 4,2% na área da moeda única e 3,8% na União Europeia.

Na zona euro, o volume do comércio a retalho cresceu 4,6% nos produtos não alimentares e 1% nos alimentos, bebidas e tabaco, tendo caído 2,9% nos combustíveis.

No conjunto da União Europeia, o aumento foi de 4,2% nos produtos não alimentares e de 0,8% nos alimentos, bebidas e tabaco, mas houve uma queda de 2,3% nos combustíveis.

Entre os Estados-membro para os quais existem dados disponíveis, as maiores subidas mensais registaram-se na Dinamarca (22,5%), na Holanda (8,4%), na Alemanha e na Lituânia (ambas com 7,7%). Já as maiores descidas observaram-se na Croácia (-4%), na Polónia (-2,2%) e Áustria (-1,9%).

Publicidade

e-commerce

Comodidade e preços mais baixos impulsionam a comprar online

Pepsi abre primeiro restaurante de bebidas