in ,

Pandemia muda os hábitos dos portugueses

Imagem Shutterstock

Um estudo conduzido pela agência de publicidade BBZ, um mês após ter sido decretado o estado de emergência, junto de 840 pessoas, desvenda novos indicadores sobre aquilo que será o efeito da pandemia na vida dos portugueses, a diferentes níveis. Uma das primeiras curiosidades é que as mulheres demonstram ter mais dúvidas sobre o futuro e são, por isso, mais cautelosas e moderadas nas suas opções pós pandemia que os homens, que têm a expectativa de que tudo voltará rapidamente ao normal.

Menos vezes às compras e mais produção local

Algumas das alterações comportamentais que advêm do estado de confinamento provocaram mudança de hábitos instalados, o que pode justificar que 22% dos portugueses pretendam alterar o seu carrinho de compras.

Segundo o estudo da BBZ, mais de 23% dos portugueses vão mudar os locais onde habitualmente fazem as suas compras e 42% afirma que vai passar a ir menos vezes às compras e mais vezes aos mercados locais. Mais de metade dos respondentes referem que vão preferir a produção local.
O estudo indica ainda que 71% das mulheres preferem as lojas de proximidade, enquanto que 56% dos homens mostram preferência pelas lojas online.

O hábito de cozinhar em casa, associado a preocupações com a saúde, resulta na retirada do carrinho de compras das refeições pré-cozinhadas (66%), aumentando a compra de frutas e legumes (86%). Os produtos de limpeza (31%) são outra das categorias que mais crescem na intenção de compra.

Mais teletrabalho e menos idas ao restaurante

O confinamento que a pandemia impôs e o consequente teletrabalho a partir de casa também poderá ser uma nova realidade para os portugueses. O estudo da BBZ mostra que, durante o confinamento, houve mais homens em teletrabalho que mulheres e que 26% dos homens, se puder optar, prefere esta modalidade. Já as mulheres, 45% diz também preferir o teletrabalho, mas a tempo parcial.

Esta preferência pelo teletrabalho poderá ter uma implicação direta na restauração, já que 51% dos respondentes afirmam que irão reduzir a ida aos restaurantes. 78% irá fazer mais refeições em casa e 69% diz que não vai encomendar refeições online.

Normalidade está longe e o Natal vai ser diferente

52% dos portugueses afirmam que sairão em pior situação financeira desta crise e 73% das mulheres estão menos otimistas em relação à época natalícia. Apesar de tudo, há 8% dos portugueses para quem a situação financeira irá melhorar.

Apesar disso, 80% afirma que não vai mudar os seus hábitos de mobilidade, embora considere a possibilidade de utilizar menos os transportes públicos e mais o transporte individual.

Publicidade

Garland

Garland movimenta mais de 55,2 mil toneladas de trigo

Sangue na Guelra

Nescafé apoia festival internacional Sangue na Guelra