in

Otimismo dos consumidores portugueses em níveis que não se viam desde 1992

O ambiente positivo continuou a subir em Portugal entre os consumidores, em todos os indicadores de confiança e de expectativa, no segundo trimestre. Os dados obtidos pelo estudo regular “Consumer Climate” da GfK bateram recordes históricos de 1992.

Com efeito, os indicadores de expectativa económica bateram um novo recorde vivido em janeiro de 1992, atingindo, em junho passado, o valor de 39,4 pontos. As expectativas de rendimento aumentaram igualmente, atingindo agora o valor de 29,5 pontos, outro recorde. Comparando com o ano anterior, subiu 12 pontos e, face ao último trimestre, evoluiu quatro pontos.

O indicador da propensão para a compra está com forte subida, atingindo um valor positivo, de 4,1 pontos, algo que não se verificava há mais de 20 anos. Este indicador subiu 25,6 pontos face há um ano e 13,9 pontos em comparação com o último trimestre, o que reflete a forte recuperação e subida dos índices de confiança do consumidor português. Prenúncios positivos para o desempenho do consumo e da economia portuguesa para o segundo semestre deste ano.

O clima de consumo na União Europeia também continua estável e o ambiente positivo entre os consumidores europeus continuou a verificar-se no segundo trimestre deste ano. Depois do pico de nove anos verificado no início do ano, o clima de confiança manteve-se em níveis elevados nos 28 países da União Europeia, fechando com 19,1 pontos no fim de junho.

No entanto, os resultados do estudo da GfK apresentaram resultados mistos no último trimestre. Na realidade, há grandes diferenças nos três indicadores principais monitorizados. Enquanto na Alemanha e França se verificaram novos máximos, o ambiente sentido pelos consumidores está mais frio na Polónia e na República Checa.

Um dos efeitos mais fortes e positivos neste trimestre foi sentido na França, pelo “Efeito Macron” que originou uma forte subida na confiança dos franceses. Os vencedores neste trimestre incluem ainda Portugal e Espanha, onde os consumidores continuam a melhorar a sua confiança no futuro e na melhoria da economia.

Por outro lado, os consumidores britânicos estão a assistir às conversações do Brexit com ceticismo, preocupação e dúvida, o que naturalmente influencia e enfraquece os indicadores de confiança dos consumidores de forma relevante. Itália e Grécia estão também no grupo de países onde as populações estão presentemente com os índices mais baixos e negativos, mantendo a tendência negativa dos últimos meses.

Publicidade

Amazon Fresh desenvolve-se na Europa

Prosseguem as denúncias de diferença de qualidade nos alimentos comercializados na União Europeia