in ,

“O sucesso das nossas marcas passou também pelo acreditar do canal Horeca”

Sumol+Compal apoia restauração tradicional

Diogo Pereira Dias, administrador Sumol+Compal

O sector da restauração tradicional (restaurantes, cafés e pastelarias) é fundamental para o país, mas também para o sucesso da Sumol+Compal, enquanto empresa portuguesa de referência no sector das bebidas. Razão pela qual, num contexto de crise e enorme incerteza para os milhares de pequenos negócios impactados pelos efeitos da pandemia, a Sumol+Compal apresenta a iniciativa “Portas Abertas”, que arrancou a 1 de junho e se estenderá durante as próximas duas semanas.

“Portas Abertas” é uma iniciativa desenhada para apoiar a reabertura dos clientes do Horeca tradicional com apoios concretos que representam mais-valias neste momento desafiante, envolvendo as principais marcas da companhia e de parceiros do seu portfólio (Compal, Sumol, Frize, Pepsi, Lipton Ice Tea, Água Serra da Estrela e Estrella Damm).

O canal Horeca é um canal muito relevante e muito estratégico para a Sumol+Compal. Temos parcerias comerciais com empresas, praticamente desde a fundação das nossas marcas. São 70 anos de uma relação muito próxima e muito cúmplice com este canal”, explica Diogo Pereira Dias, administrador do grupo, em entrevista à Grande Consumo. “Não temos dúvidas que o sucesso das nossas marcas, ao longo dos anos, passou também pelo acreditar de milhares de pontos de venda do canal Horeca, que as disponibilizaram a milhões de consumidores”.

A crise pandémica e a declaração do estado de emergência que se seguiu tiveram um impacto tremendo nos restaurantes, nas pastelarias, nos cafés e na hotelaria. “Uma pequena minoria dinamizou o serviço de take-away e delivery, mas a grande maioria esteve de portas fechadas durante nove semanas. E, pior, sem qualquer noção de quando é que poderia abrir, o que se viria a confirmar a 18 de maio para uns e 1 de junho para outros”, refere.

O canal foi tentando mitigar alguns custos fixos, quando possível, por exemplo, através do layoff simplificado. Mas, em termos de lucros, o resultado foi, efetivamente, zero.

 

“Portas Abertas”

Numa primeira fase, a Sumol+Compal associou-se a uma iniciativa conjunta da AHRESP, com outras empresas, batizada de “Voltamos Já”. Uma plataforma assente em vouchers, que apelava ao comprador a adiantar uma compra futura nos estabelecimentos.

Mas, rapidamente, começámos a desenhar uma iniciativa de apoio concreto para a reabertura. É assim que nasce este ‘Portas Abertas’. Direcionado à restauração tradicional, ao pequeno e médio comércio de bairro, que é muitíssimo importante no tecido empresarial português caracterizado por um conjunto de PMEs e de empreendedores. É um segmento que tem um papel importantíssimo na economia portuguesa, nomeadamente na geração de emprego”.

O grande objetivo é a ajuda ao retorno à atividade, com a Sumol+Compal a afirmar-se presente junto dos seus parceiros de negócio. Afinal, comenta o responsável, “a saúde do seu negócio é a saúde do nosso negócio. É esta interdependência, esta parceria e esta cumplicidade que temos que está na base deste programa”.

 

Sumol+Compal

 

17.500 clientes

Atualmente, a Sumol+Compal conta com um perímetro de 17.500 clientes independentes, entre cafés, pastelarias e restaurantes tradicionais. Um canal importante para o negócio da empresa portuguesa no mercado nacional e o que mais sofreu com o impacto das medidas preventivas, no âmbito da declaração do estado de emergência. Este encerramento da quase totalidade dos seus clientes no canal Horeca teve um profundo impacto em toda a atividade comercial.

Por isso mesmo, a reabertura da restauração, após as nove semanas de fecho, não deixa de provocar algumas tensões para estes parceiros, comenta o administrador. A verdade é que, ainda, existem muitas indefinições sobre quão rápido os consumidores regressarão à convivência fora de casa e às suas rotinas de consumo nos restaurantes e cafés e aos comportamentos do passado.

Os primeiros sinais que temos é que as áreas de lazer estão a ganhar esse ritmo de forma mais acelerada, em relação a zonas mais de trabalho devido a muita gente ainda estar em teletrabalho. Do ponto de vista da procura, há alguma insegurança nos pontos de venda que estão a abrir. E há uma tesouraria que é desequilibrada, ou seja, com zero verbas nesta semanas e custos fixos. Assim, queremos posicionarmo-nos com os parceiros nas horas boas e nas horas difíceis”, afirma Diogo Pereira Dias. Uma poderosa mensagem de empatia, positiva e com o olhar no futuro.

 

Apoio à restauração

A iniciativa foi apresentada a cada cliente pela força de vendas da empresa e incide sobre três vertentes a serem aplicadas consoante a situação concreta de cada um.

Em primeiro lugar, o apoio em bebidas das marcas referidas, garantindo uma disponibilidade das principais categorias, marcas e sabores para os seus consumidores na reabertura. Atendendo ao vasto portfólio de marcas e à combinação de sortido, a empresa vai oferecer uma parte dos produtos, com o objetivo de ajudar clientes que, no momento de abertura, tenham um stock curto ou desfalcado.

A segunda vertente foca-se na tesouraria, nomeadamente na flexibilização de crédito em condições mais favoráveis, e excecionais, durante este momento de maior incerteza. “A tesouraria é, neste momento, uma fonte de insónias para estes nossos parceiros. Muitos clientes têm ainda faturas por pagar e este programa contempla alguma flexibilização dos pagamentos que permite que o nosso cliente consiga respirar e concentrar-se na geração de receitas para, depois, cumprir com os seus compromissos”.

Por último, a terceira é uma vertente tecnológica com uma solução inovadora de pedido e pagamento “sem contacto”, apresentando um sistema de encomendas e menus através de uma parceria com a Zomato.

 

Zomato apoia

O consumidor pode, assim, através do seu smartphone, consultar o menu dos pontos de venda que vão aderir a este programa, efetuar reservas, fazer o pedido para take away ou consumir no local e efetuar o pagamento apenas com o seu telemóvel, sem necessitar de contacto direto com o menu físico ou com terminais de pagamento. “É uma forma de consumo desmaterializado em resposta a estes receios dos consumidores que regressaram a uma vida mais normal dentro deste canal Horeca”, afirma.

De momento, a solução Zomato apenas se encontra disponível na Grande Lisboa e no Grande Porto, mas espera alargar este espectro ao resto do país, visto que “Portas Abertas” é uma campanha de âmbito nacional.

Publicidade

Chá

Chá: quais as marcas preferidas?

Repsol

Repsol alarga parceria à Staples