in

Mudanças no consumo trazidas pela Covid-19 vão manter-se no futuro

Foto Shutterstock

A crise pandémica afetou aquilo que os consumidores consideram como os elementos básicos da sua vida quotidiana e essa alteração vai manter-se, pelo menos, até 2025.

O estudo “The Future Urban Reality” da Ericsson, junto de uma amostra de consumidores de 31 países, conclui que as tecnologias se converteram num elemento-chave da vida quotidiana. “A nossa pesquisa indica que assim continuarão na próxima normalidade e no futuro”, assinala Zeynep Ahmet, investigador sénior na Ericsson Research.

 

Prioridades

Os consumidores darão prioridade ao que consideram importante, seja passar mais tempo com os ente-queridos, seja levar um estilo de vida mais saudável, e a tecnologia converte-se numa ferramenta que os auxilia nesse sentido.

Assim, elementos como o teletrabalho, o ensino à distância, a compra online e a e-saúde, que fizeram parte das rotinas da vida pandémica, irão manter-se. Os consumidores não querem dedicar o seu tempo livre a essas atividades presenciais, preferem estar com os amigos e familiares, viver uma vida mais consciente ou viajar muito mais. Um em cada dois consumidores espera recorrer ao ensino à distância para adquirir novas competências e mais de metade considera que todo o seu entretenimento será online. Mais de um terço fará as compras online.

 

Comodidade

Nessa medida, o tempo passado online irá disparar e, em 2025, a média será de 10 horas por semana.

Os consumidores querem mais comodidade, com 75% a assegurar que a vida estará orientada para o que lhes for mais cómodo.

Os consumidores continuarão a defender o consumo local e mais de metade reconhece que espera comprar mais destes produtos, até por uma questão de responsabilidade ambiental. As alterações climáticas são algo que os preocupa.

O futuro está envolto de alguns temores e 64% crê que se assistirá a um aumento dos níveis de stress. Três em cada cinco consideram que terão de ter vários empregos para poder pagar todas as contas no final do mês.

Publicidade

Auchan

Auchan investe 30 milhões de euros no digital até 2025

Morrisons

Morrisons recusa oferta de compra