in

Meta (Facebook) estuda entrar no sector do retalho

Foto mundissima/Shutterstock

A Meta, empresa anteriormente conhecida como Faceboo,k e que acaba de assinar uma aliança estratégica com o Carrefour, está a estudar a sua entrada no sector do retalho com a abertura de lojas físicas. O objetivo é aproximar o metaverso do público.

A empresa liderada por Mark Zuckerberg está a estudar a possibilidade de abrir lojas em todo o mundo, para mostrar aos clientes os dispositivos fabricados pela divisão Reality Labs, como auscultadores e óculos de realidade aumentada, avança o The New York Times. Especificamente, o sortido incluiria os auscultadores de realidade virtual Oculus Quest, bem como os óculos de sol desenvolvidos pela Meta juntamente com Ray-Ban e os dispositivos Portal, que têm um ecrã inteligente e permitem usar as redes sociais da empresa e fazer chamadas de vídeo, entre outras funções.

O objetivo destas lojas físicas é tornar o mundo “mais aberto e conectado“, de acordo com documentos acedidos pelo jornal norte-americano.

 

Metaverso

O termo metaverso (metaverse, em inglês) apareceu, pela primeira vez, em “Snow Crash”, livro de ficção científica escrito por Neal Stephenson, em 1992. Nele, as pessoas usam o metaverso para escaparem de uma realidade distópica.

Desde que Mark Zuckerberg anunciou a mudança de nome do Facebook para Meta, muito se tem debatido sobre o que é o metaverso, considerado o próximo capítulo da Internet. Trata-se de um universo virtual onde as pessoas podem interagir por meio de avatares digitais. Esse mundo será criado a partir de diversas tecnologias, como realidade virtual, realidade aumentada, redes sociais ou criptomoedas, entre outras.

A ideia é que o metaverso seja uma espécie de Internet 3D, onde comunicação, diversão e negócios existirão de forma imersiva e interoperável.

Em comunicado à imprensa na ocasião do anúncio da mudança de Facebook para Meta, Mark Zuckerberg explicou o que será possível fazer no metaverso. “Será capaz de fazer quase tudo que possa imaginar — reunir-se com amigos e família, trabalhar, aprender, brincar, fazer compras, criar —, bem como experiências completamente novas que, realmente, não se encaixam na forma como pensamos sobre computadores ou telefones hoje“.

Publicidade

Continente abre nova loja em Lisboa na Avenida da República

Media Markt

MediaMarkt alvo de ciberataque