in

Mercadona recebe Prémio de Empresa do Ano da FEDECOM

A Federação de Câmaras Oficiais de Comércio de Espanha na Europa, África, Ásia e Oceânia (FEDECOM) entregou esta segunda-feira, 7 de outubro, em Lisboa, o seu Prémio de Empresa do Ano à Mercadona. Com este reconhecimento, a FEDECOM distingue, todos os anos, uma empresa espanhola que se destaca pela sua atividade comercial e económica num dos países-membros da federação.

A cerimónia de entrega do prémio teve lugar na Sala do Arquivo da Câmara Municipal de Lisboa e contou com a presença dos presidentes das principais associações empresariais de Portugal, assim como do conselheiro económico e comercial da Embaixada de Espanha em Portugal, Pedro Moriyon. O prémio foi entregue pelo secretário de Estado da Internacionalização de Portugal, Eurico Brilhante Dias, e em representação da Mercadona recebeu o prémio Elena Aldana, diretora de Relações Externas de Portugal e Assuntos Europeus.

A Mercadona encerrou o exercício de 2018 com 1.636 lojas, 85.800 colaboradores, uma faturação de 24.305 milhões de euros e um investimento de 1.504 milhões de euros. A empresa representa um impacto económico na economia espanhola equivalente a 1,9% do PIB e é responsável por 630 mil postos de trabalho diretos e indiretos.

Em julho, a empresa abriu os seus primeiros supermercados em Portugal, sendo o seu primeiro projeto de internacionalização, onde já conta com 1.100 colaboradores portugueses. Atualmente, possui cinco lojas abertas, das 10 lojas previstas para 2019. A abertura das lojas, os escritórios no Porto e Lisboa, o bloco logístico na Póvoa de Varzim e o Centro de Coinovação em Matosinhos totalizam um investimento global aproximado de 260 milhões de euros, desde 2016, ano em que anunciou a entrada em Portugal. “Os investimentos são reflexo da confiança depositada na nossa economia. Contribuem para a criação de emprego e ainda promovem a coesão territorial. Espanha e Portugal são importantes parceiros e honra-nos que sejamos o país escolhido pela Mercadona no seu primeiro processo de internacionalização”, afirma Eurico Brilhante Dias, especificando ainda que a internacionalização da Mercadona “poderá potenciar a introdução de novos produtos portugueses e espanhóis nos dois mercados, permitindo maior transação de bens, promovendo a competitividade e fomentando o comércio entre os dois países”.

Publicidade

Publicidade

Sector agroalimentar melhora autonomia financeira

91% dos empreendedores portugueses voltaria a fundar uma empresa novamente