in

Investigadores do INL resolvem problemas da adição de Ómega-3 em alimentos

Imagem Shutterstock

Os Ómega-3 são ácidos gordos essenciais reconhecidos pelos importantes benefícios que têm para a saúde, tais como a melhoria da saúde cardiovascular, diminuição de inflamações, melhoria da função cognitiva e um melhor desenvolvimento neurológico e visual. Nesse sentido, a indústria alimentar tem vindo a aumentar o interesse no enriquecimento de alimentos com ácidos gordos essenciais Ómega-3.

No entanto, um dos principais problemas associados à adição destes compostos aos produtos alimentares é a elevada taxa de oxidação dos mesmos, que acaba por afetar a qualidade dos alimentos e promove o desenvolvimento de propriedades organoléticas negativas, tais como o desagradável sabor a ranço, que contribuem para reduzir a aceitação pelos consumidores.

A solução criada pelos investigadores do Grupo de Processamento Alimentar do INL – Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia para esse problema foi a encapsulação do Ómega-3 através do método de nano-emulsificação com lactoferrina, uma proteína do leite, como surfactante natural.

Os resultados mostraram que as nano-emulsões, com um tamanho de cerca de 200 nm, são estáveis ​​a 4°C durante 70 dias, apresentando uma libertação reduzida no estômago e uma libertação superior no intestino delgado, contribuindo para aumentar a biodisponibilidade do Ómega-3. Além disso, observou-se que as nano-emulsões podem ser utilizadas com 12,5 μg.mL -1 de ácidos gordos essenciais Ómega-3 encapsulado, sem afetar a viabilidade celular.

Esta abordagem demonstra a capacidade de encapsulamento à nano-escala como uma forma eficaz e segura de fornecer Ómega-3 ao organismo humano, bem como a possibilidade de utilizar esta técnica para encapsular diferentes compostos bioativos lipofílicos.

Publicidade

Leroy Merlin

Leroy Merlin cria novo modelo de atendimento

Escolha do Consumidor integra dados do Portal da Queixa nas suas avaliações