in

Intermarché acusado de práticas comerciais abusivas

Foto sylv1rob1/Shutterstock

As centrais de compras do Intermarché em França foram acusadas pelo governo gaulês de “práticas comerciais abusivas”.

O ministro da Economia francês vai levar o grupo a tribunal, o que, potencialmente, poderá afetar a operação de alianças comerciais onde o Intermarché esteja envolvido.  A Linéaire cita Bruno Le Maire, que alega que o retalhista “forçou inúmeros fornecedores, através de vários meios de pressão (paragem de encomendas, saídas de linear, etc.), a assinar um contrato internacional primeiro com a Agecore, depois com a ITM Bélgica, de modo a continuar a distribuir os seus produtos na rede Intermarché em França”.

 

Processo

A investigação na base deste processo remonta a 2018, quando a autoridade da concorrência francesa encetou um inquérito sobre as alianças de compras Agecore na Suíça e ITM Bélgica. O regulador concluiu, agora, que o Intermarché terá alegadamente pressionado 93 fornecedores a pagar avultadas quantias de dinheiro para continuarem a fornecer a cadeia de supermercados.

As autoridades francesas estão a questionar a operação destas alianças internacionais que negoceiam os termos e condições entre fornecedores e retalhistas. Bruno Le Maire considera que os serviços oferecidos por estas centrais de compras internacionais são desproporcionais em relação às comissões que cobram.

O governo francês pediu ao tribunal comercial que irá ajuizar o processo que sentencie o pagamento de uma multa de mais de 150 milhões de euros, o equivalente a 1% da faturação anual da cadeia em França.

O Intermarché já veio demonstrar o seu desacordo quanto às conclusões da autoridade da concorrência e reiterou que irá “demonstrar a legalidade das suas negociações internacionais, que estão ao serviço do poder de compra dos consumidores”.

Publicidade

Família

Pandemia muda cabaz de compras das famílias portuguesas

El Corte Inglés

El Corte Inglés vai proceder ao maior ajuste de recursos humanos da sua história