in

França retira Wish dos motores de busca

Foto sdx15/Shutterstock

O governo francês ordenou que os motores de busca e as lojas de aplicações proibissem a plataforma de e-commerce norte-americana Wish, porque a empresa “ignora as normas de segurança dos produtos“.

Apesar de o site ainda poder ser acedido digitando o URL diretamente na barra de navegador, a remoção dos motores de busca e lojas de aplicações representa um enorme golpe para a visibilidade online da plataforma.

A decisão do governo francês surge na sequência de uma investigação anterior da Direção-Geral da Concorrência, dos Consumidores e da Prevenção da Fraude (DGCCRF), que revelou que a Wish oferece um grande número de produtos não conformes e perigosos. Dos brinquedos e eletrodomésticos inspecionados, 95% não cumpriu os requisitos legais. Além disso, 45% dos brinquedos e 90% dos aparelhos foram mesmo considerados perigosos, noticia a Euractiv.

O inquérito concluiu igualmente que a Wish não cumpriu adequadamente as suas obrigações, enquanto distribuidor, em termos de retirada de produtos. A plataforma entrou em ação, na maioria dos casos, contra os produtos rotulados como perigosos, mas muitas vezes foram novamente oferecidos com um nome diferente.

 

Concorrência leal

Em julho, a DGCCRF deu à Wish o prazo dois meses para cumprir com as suas obrigações. Tal não veio a acontecer, razão pela qual o governo francês está agora a querer a plataforma removida dos motores de busca e das lojas de aplicações. De acordo com o ministro da economia gaulês, Bruno Le Maire, a decisão ilustra os esforços do governo para proteger os consumidores e combater eficazmente a concorrência desleal por parte de operadores que desrespeitam as regras de segurança dos produtos.

Bruno Le Maire afirma também que este era o aviso final para Wish. “Ou o site cumpre as regras de defesa do consumidor, ou vamos um passo mais além e banimo-lo completamente em território francês“.

Publicidade

Agricultura

União Europeia e Estados Unidos criam plataforma para impulsionar agricultura sustentável

Consumo

Consumo das famílias na União Europeia atinge mínimos de sempre