in

Europa quer proibir os microplásticos dos produtos de consumo

A Comissão Europeia pediu a proibição, até ao ano de 2020, dos microplásticos adicionados intencionalmente a cosméticos, produtos de higiene pessoal, detergentes e produtos de limpeza.

Os microplásticos são partículas muito pequenas (menos de cinco milímetros) de material plástico cuja origem pode ser involuntária, devido ao desgaste de peças maiores de plástico, como tecidos sintéticos, mas que também pode ser deliberadamente fabricado e intencionalmente adicionado a produtos como cosméticos (por exemplo, esfoliantes faciais ou corporais).

Embora alguns países da União Europeia já os tenham proibido, a Comissão Europeia pede que todos sejam eliminados dentro de dois anos. Os deputados querem também que exista um conteúdo mínimo de material reciclado em certos produtos de plástico, bem como padrões de qualidade para plásticos reciclados, para aumentar a confiança do consumidor. Para certos produtos, também sugerem que a libertação de microplásticos na fonte, em particular, nos têxteis, pneus, tintas e pontas de cigarro, seja significativamente reduzida.

Até agora,  terceirizámos os nossos problemas de resíduos plásticos para países como China e esta, recentemente, decidiu proibir todas as importações de resíduos plásticos da União Europeia. Então, devemos agir já, temos que inovar, temos que investir“, disse o responsável da negociação na câmara, o deputado belga Mark Demesmaeker, do grupo dos conservadores e reformistas europeus.

O Parlamento Europeu também está a trabalhar numa proposta, que será posta em votação em outubro, com o objetivo de proibir certos plásticos de uso único, como talheres e pratos, e aumentar a consciencialização entre as empresas de embalagens para que cubram o custo da limpeza.

Além disso, em janeiro, a Comissão Europeia adotou uma estratégia para melhorar a gestão dos plásticos na União Europeia, na qual afirma que, até 2030, todos os recipientes de plástico serão recicláveis, bem como que se vai reduzir o consumo de plásticos de uso único e o uso de microplásticos.

Publicidade

ASAE assina memorando de entendimento com congénere da Índia

Mais de 1/3 das empresas portuguesas vão utilizar a inteligência artificial em menos de um ano