in

Estudo Marcas de Confiança revela mudanças nas preferências dos consumidores

Organizado pelas Selecções do Reader´s Digest, o estudo Marcas de Confiança, que este ano celebra 19 anos, apresenta, nove novas categorias, num total de 60 e mudanças nas preferências dos portugueses em algumas delas.

Para Maria do Carmo Diniz, responsável do estudo em Portugal, “o selo Marcas de Confiança das Selecções do Reader´s Digest conquistou, ao longo destes 19 anos, um lugar de destaque no nosso país, sendo utilizado pelas marcas vencedoras como símbolo de confiança e qualidade e reconhecido pelos consumidores pela sua idoneidade”.

Como novidades deste ano, o estudo revela que, nas Regiões de Turismo, o Algarve, assume de novo o título de Marca de Confiança, que no ano passado havido sido da Região Porto e Norte. A HP volta, igualmente, a recuperar o seu historial de confiança, vencendo na categoria de Computadores Pessoais e Tablets. Outra alteração no estudo Marcas de Confiança deste ano acontece nos Produtos de Limpeza do Lar, com a marca Cif a subir à primeira posição da categoria, remetendo a tradicional vencedora para o segundo lugar.

Nas nove novas categorias desta edição, o SAPO merece a maior votação de confiança dos portugueses em Site de Notícias; na categoria Leite, a Mimosa é a escolhida; o Celeiro vence em duas frentes, Produtos Alimentares Biológicos e Dietas/Produtos para a Perda de Peso; e a Pescanova é a marca de confiança em Produtos Alimentares Congelados. A Compal obtém a maior votação em Sumos e Néctares; a Securitas é a marca escolhida na nova categoria de Alarmes Domésticos; em Oficinas Auto, a Norauto recolhe a maior fatia de confiança e a Colgate é eleita a marca de confiança na categoria de Produtos Higiene Oral.

 

Mas, apesar das mudanças de hábitos dos consumidores, da dinâmica do mercado ou da era do digital, há marcas que, desde o início, são reconhecidas pela confiança que geram, como é o caso da Abreu, Centrum, Continente, Delta Cafés, Essilor, Luso, Miele, Molaflex, Multiópticas e Nivea.

Este estudo é, também, um barómetro socioeconómico da realidade portuguesa. Nele se revela que os atributos que os portugueses mais valorizam são o facto de serem marcas nacionais (7,5 numa escala de 1 a 10) e a preocupação social (7) por elas demonstrada.

Ainda segundo o estudo, o fator preço continua a ser motivo para levar à experimentação de outra marca (7 ), logo seguido da relação com o cliente e o ser uma marca inovadora (6,5).

Também dentro do contexto socioeconómico, este estudo permitiu perceber a confiança dos portugueses nas profissões, destacando-se aquelas que, de algum modo, estão ligadas à segurança: os bombeiros (96%), pilotos de aviação (95%) e farmacêuticos (93%). Os políticos, com apenas 3% da confiança, aparecem no final da tabela das profissões, em 19 anos consecutivos.

Neste estudo é ainda percetível que cinco marcas já ultrapassam o índice de 80% de confiabilidade dos consumidores portugueses: Fula (90%), CTT (90%), Chicco (87%), Compal (80%) e Well’s (80%).

Lista Marcas de Confiança 2019:

 

Categoria Marca Vencedora
Agências de viagens 1.º Abreu – 64%

2.º Top Atlântico – 7%

3.º Geostar – 4%

Águas de mesa 1.º Luso – 65%

2.º Água das Pedras – 6%

3.º Monchique – 5%

Alarmes domésticos 1.º Securitas – 50%

2.º Prosegur – 38%

3.º Redguardman – 3%

Alimentação para animais 1.º Friskies – 49%

2-º Purina – 10%

3.º Royal Canin – 9%

Antirrugas de farmácia

 

 

1.º Vichy – 61%

2.º Nivea – 12%

3.º L’Oréal – 9%

Arroz 1.º Cigala – 61%

2.º Saludães –11%

3.º Caçarola – 8%

Aspiradores 1.º HOOVER – 57%

2.º Bosch – 7%

3.º Rowenta – 6%

Automóveis 1.º Toyota – 41%

2.º Mercedes – 7%

3.º Renault – 7%

Azeite 1.º Oliveira da Serra – 57%

2.º Gallo – 30%

3.º Azeite de Moura – 3%

Bacalhau

 

 

1.º Riberalves – 65%

2.º Bacalhau da Noruega – 14%

3.º Pascoal – 13%

Banca 1.º BPI – 45%

2.º CGD – 23%

3.º Millennium BCP – 11%

Cadeias e lojas de distribuição não alimentar 1.º Worten – 49%

2.º Fnac – 8%

3.º Ikea  – 7%

Cadeias e lojas de parafarmácia 1.º Well’s – 80%

2.º Celeiro – 13%

3.º Saúde e Bem-Estar (Jumbo) – 3%

Cadeiras auto para crianças 1.º Chicco – 87%

2.º Bébé Confort – 4%

3.º Zippy – 2%

Cafés 1.º Delta – 70%

2º Nespresso – 10%

3º Sical – 8%

Canais de televisão 1.º RTP – 34%

2.º SIC – 25%

3.º TVI – 16%

Cartões de crédito 1.º Visa – 41%

2.º Mastercard  – 13%

3.º CGD – 10%

Centros auditivos

 

 

1.º Minisom – 68%

2.º Widex – 13%

3.º Acústica Médica – 7%

Cereais de pequeno almoço 1.º Nestlé – 56%

2.º Kellogg’s – 16%

3.º Fitness – 5%

Cervejas 1.º Sagres – 62%

2.º Super Bock – 31%

3.º Carlsberg – 2%

Colchões 1.º Molaflex – 75%

2.º Pikolin – 11%

3.º Colunex – 4%

Companhias de cruzeiros marítimos 1.º MSC Cruises – 44%

2.º Costa Cruzeiros – 16%

3.º Royal Caribbean – 10%

Computadores pessoais/Tablets 1.º HP – 28%

2.º Asus – 21%

3.º Apple – 13%

Cremes/Pomadas para cuidados do bebé 1.º Halibut – 44%

2.º Mustela – 18%

3.º Johnson’s Baby – 15%

Dietasprodutos para a perda de peso 1.º Celeiro – 10%

2.º Depuralina – 8%

3.º Diese – 8%

Empresas de crédito ao consumo 1.º Cofidis – 57%

2.º Cetelem – 26%

3.º Credibom – 10%

Empresas de imobiliário 1.ºEra – 65%

2.º Remax – 29%

3.º Century 21 – 2%

Esquentadores 1.º Vulcano – 61%

2.º Junkers – 22%

3.º Vaillant – 8%

Estações de rádio 1.º Renascença – 22%

2.º RFM – 21%

3.º Comercial – 20%

Fabricantes de papel 1.º Renova – 67%

2º. Navigator – 19%

3.º Portucel – 3%

Farinhas 1.º Branca de Neve – 52%

2.º Nacional – 23%

3.º Nestlé – 9%

Fixadores de próteses dentárias 1.º Corega – 72%

2.º Kukident – 13%

3.º Protefix – 9%

Grandes eletrodomésticos 1.º Miele– 30%

2.º Samsung – 14%

3.º Bosch – 12%

Hiper/Supermercados 1.º Continente – 68%

2.º Pingo Doce – 17%

3.º Jumbo – 7%

Hospitais privados 1.º Cuf – 45%

2.º Hospital da Luz – 24%

3.º Hospital Lusíadas – 12%

Leite 1.º Mimosa – 27%

2.º Vigor – 15%

3.º Terra Nostra – 15%

Lentes oftálmicas corretivas 1.º Essilor – 62%

2.º Varilux – 10%

3.º Zeiss – 6%

Lojas de bricolage/decoração 1.º AKI – 54%

2.º Leroy Merlin – 24%

3.º Bricomarché – 7%

Lojas de vestuário infantil e puericultura 1.º ZIippy – 64%

2.º Chicco – 16%

3.º Zara Kids – 4%

Oficinas auto 1.º Norauto – 8%

2.º Renault – 8%

3.º Midas – 7%

Óleos Alimentares

 

 

1.º Fula – 90%

2.º Becel – 3%

3.º Vaqueiro – 3%

Operadores de telecomunicações e multimédia 1.º NOS  – 55%

2.º MEO – 25%

3.º Vodafone – 19%

Óticas 1.º Multiópticas – 58%

2.º Optivisão  – 12%

3.º Opticália – 8%

Petrolíferas 1.º Galp – 66%

2.º BP – 12%

3.º Prio – 10%

Produtos alimentares congelados 1.º Pescanova – 52%

2.º Iglo – 28%

3.º Continente – 4%

Produtos alimentares biológicos 1.º Celeiro – 36%

2.º Cem Porcento – 7%

3.º Seara – 5%

Produtos de charcutaria 1.º Nobre – 61%

2.º Sicasal – 12%

3.º Porminho  – 5%

Produtos de cuidados com a pele 1.º Nivea – 62%

2.º Vichy – 5%

3.º Cien – 4%

Produtos de higiene oral 1.º Colgate – 48%

2.º Sensodyne – 20%

3.º Oral-B – 10%

Produtos para limpeza do lar 1.º Cif – 27%

2.º Sonasol – 23%

3.º Ajax  – 10%

Região de turismo 1.º Algarve – 33%

2.º Porto e Norte – 24%

3.º Centro – 16%

Reparação de vidro automóvel 1.º Catglass – 70%

2.º Glassdrive – 19%

3.º ExpressGlass – 5%

Seguros auto 1.º Fidelidade – 40%

2.º Tranquilidade – 10%

3.º Ok Teleseguros – 8%

Seguros de saúde 1.º Medis – 57%

2.º Multicare – 20%

3.º Medicare – 5%

Seguros de vida e patrimoniais 1.º Fidelidade – 52%

2.º Ageas – 9%

3.º Allianz – 7%

Serviços de correio e logística 1.º CTT – 90%

2.º DHL – 5%

3.º Nacex – 2%

Sites de notícias 1.º Sapo – 30%

2.º JN – 10%

3.º SIC – 8%

Smartphones 1.º Samsung – 44%

2.º Huawei – 17%

3.º Apple – 16%

Sumos e néctares 1.º Compal – 80%

2.º Sumol – 12%

3.º Santal – 4%

Vitaminas 1.º Centrum – 48%

2.º Solgar – 16%

3.º Absorvit – 10%

Dolmen angaria 9 milhões de euros para converter distribuidores e comerciantes ao marketing local

JD.com multiplica por 16 o valor dos prejuízos