in

Especialistas reforçam benefícios dos adoçantes sem ou de baixas calorias

Foto Shutterstock

Um estudo publicado na Nutrition Research Reviews, aponta para as evidências científicas que mostram que os adoçantes sem ou de baixas calorias são seguros, não têm efeitos adversos na regulação da glicose no sangue em pessoas com e sem diabetes e induzem a um menor aumento da glicose no sangue em comparação com o açúcar, podem ajudar a reduzir ingestão calórica efetiva e podem ser parte das estratégias a considerar para reduzir o consumo de açúcares, em linha com recomendações de saúde pública em todo o mundo, visando reduzir o risco e a prevalência da obesidade.

Margaret Ashwell, investigadora sobre o tema, liderou um grupo de especialistas que publicou na revista científica um consenso sobre adoçantes sem ou de baixas calorias, com factos, lacunas da investigação e ações sugeridas. “O objetivo do nosso workshop foi estimular a visão de futuro e reafirmar os princípios”, explica Margaret Ashwell.“É consensual para o painel que um conjunto substancial de evidências sobre a segurança e o papel dos adoçantes de baixas calorias, que ajuda as pessoas a reduzir a sua ingestão de açúcar e calorias, é uma prioridade de saúde pública, que deve ser comunicada de forma consistente”, acrescenta.

Os especialistas esclarecem que o benefício do uso de adoçantes dependerá da quantidade de açúcares substituídos na alimentação, bem como do regime alimentar geral, uma vez, por si só, “não é expectável que atuem como uma solução milagrosa para perda de peso”.

No entanto, e com base nas evidências científicas, os autores concluem que estes adoçantes podem ser úteis em abordagens alimentares para prevenir e controlar a diabetes e a obesidade e podem facilitar a redução na ingestão calórica e na perda de peso.

Publicidade

Publicidade

Nespresso homenageia cultura italiana do café

Xavier Aliaga substitui Francesc Sunyer na direção da divisão de Business Systems da Epson Ibérica