in

Envelhecimento superior a 20 anos confere à Aguardente Bagaceira Velha Soalheiro personalidade

Cor topázio, aroma complexo, delicado e perfumado revelando uma harmonia perfeita entre o carácter da casta Alvarinho e o envelhecimento prolongado em casco de carvalho”. É deste modo que é descrita a Aguardente Bagaceira Velha Soalheiro, uma seleção de garrafas numeradas que chega agora ao mercado.

Após mais de 20 anos a envelhecer, em alternância, entre cascos de carvalho novos e usados, esta aguardente de bagaceira, produzida a partir da destilação dos melhores bagaços da casta Alvarinho, adquire um sabor suave e muito persistente.

As películas aromáticas das uvas da casta Alvarinho, separadas do mosto por prensagem na vindima, fermentaram durante cerca de um mês em ambiente sem a presença de ar (anaerobiose). Esta fermentação transformou o açúcar residual existente em álcool, extraindo os melhores aromas das películas. A destilação lenta em alambique tradicional contribuiu para concentrar esses aromas, dando origem a uma aguardente muito aromática característica da casta Alvarinho.

 

Destilação dos melhores bagaços desde 1999

A Aguardente Bagaceira Velha Alvarinho Soalheiro surgiu em 1999, com o lançamento da primeira série de 1.428 garrafas numeradas. Desde a primeira colheita que a elaboração desta aguardente está sujeita à destilação dos melhores bagaços de Alvarinho, envelhecendo ao longo dos anos em cascos de carvalho, dos quais lhe extrai a cor e a estrutura que completam o aroma intenso da casta.

Da colocação manual da rolha à lacragem, os detalhes que fazem desta aguardente ainda mais especial são vários.

Publicidade

Danone

Danone lança gama produzida em Portugal

Sovena João Basto

Grupo Sovena aposta na inovação e renova o marketing