in ,

Crise no abastecimento de combustível no Reino Unido reflete-se em menos idas às compras

Foto Shutterstock

A recente crise de abastecimento de combustível no Reino Unido levou os compradores a fazerem menos viagens ao supermercado, no mês passado, indica a Kantar, com as vendas de mercearia a caírem 1,2% nas 12 semanas terminadas a 3 de outubro.

Apesar da queda, as vendas continuam a ser 8,1% mais altas do que antes da Covid-19, acrescenta a consultora.

De acordo com Fraser McKevitt, responsável pelo retalho e informação dos consumidores na Kantar, as filas nos postos de combustível fizeram com que o agregado familiar médio fizesse 15,5 visitas de lojas, o valor mensal mais baixo desde fevereiro. “Os shoppers que se mantêm fora das estradas também significaram a proporção de compras online, que vinha a diminuir constantemente nos últimos sete meses, subindo para 12,4% em comparação com 12,2% em setembro“.

 

Vendas de Natal começam mais cedo

Há também indícios de que os consumidores britânicos estão a começar a preparar-se para o Natal, com a Kantar a notar vendas de pudim de Natal 76% mais altas do que no ano passado, enquanto as vendas de brinquedos aumentaram 5% em termos homólogos, e o embrulho de prendas 10%.

É importante dizer, no entanto, que estes ainda são números relativamente pequenos e a ansiedade em torno dos problemas de abastecimento não se traduziu em compras de pânico – festivas ou não“, sublinha Fraser McKevitt.

Em termos do desempenho dos maiores retalhistas do Reino Unido, o líder de mercado, a Tesco, registou um aumento de 1,2% nas vendas no período analisado, alcançando o melhor desempenho entre os chamados Big Four. A quota de mercado da Tesco cresceu 0,6 pontos percentuais e situa-se agora nos 27,5%, o nível mais alto desde fevereiro de 2019, destaca a Kantar.

Publicidade

IKEA

Ikea vai transferir mais produção para a Turquia

jose-vicente-bermudez-fini-golosinas

Fini Golosinas nomeia José Vicente Bermúdez como diretor geral