in

Credit Suisse prevê mais encerramentos e liquidações a curto prazo

Uma nova onda de encerramentos e liquidações está-se a aproximar no sector retalhista, de acordo com as previsões da Credit Suisse. Os efeitos do chamado “apocalipse retalhista” acabaram de começar e novas vítimas serão vistas no início deste ano.

A instituição financeira garante que a indústria está a deteriorar-se a uma taxa mais rápida do que a prevista pelos analistas há um ano.

A “transformação óbvia e inegável” das empresas de retalho reduzirá as rendas e as taxas de vagas este ano, disseram os analistas Roger Lehman e Benjamin Rozyn, acrescentando que os títulos respaldados por esses empréstimos provavelmente enfraquecerão.

Embora esta última campanha de Natal tenha sido a melhor para os retalhistas numa década, de acordo com estimativas iniciais, cadeias como Macy’s e J.C. Penney não impressionaram os investidores com os seus resultados, segundo a Bloomberg.

Embora essas empresas estejam longe da bancarrota, a Macy’s já anunciou novos fechos de lojas. Por sua vez, espera-se que outros grandes retalhistas como Amazon, Walmart ou Home Depot ocupem uma grande parte dos ganhos do mercado.

Geralmente, janeiro é o mês com o maior número de falências de retalho, de acordo com dados recolhidos pela Bloomberg Intelligence desde 1981.

Enquanto a maioria das hipotecas residenciais comerciais permanecerá em vigor nos próximos anos, a redução das opções de financiamento disponíveis para os donos de centros comerciais e lojas “pode levar a problemas” quando os empréstimos expiram, acrescentaram os analistas.

Publicidade

Fujitsu analisa as tendências mais importantes para o retalho em 2018

Acer lança o novo Swift 7