in ,

Compra online faz disparar envio de vinhos na Mail Boxes Etc.

Mail Boxes Etc.

Não só o consumo de vinho tem aumentado no confinamento, como a própria compra de néctares se faz cada vez mais online. Para responder a esta procura, produtores, lojas eletrónicas e, até, restaurantes têm recorrido cada vez mais a serviços específicos, como o da Mail Boxes Etc. (MBE), uma das maiores redes internacionais de centros de micrologística, que disponibiliza o envio especializado de vinhos.

A tendência tem ocorrido em vários mercados, nomeadamente, em Portugal e Espanha, onde a expedição de vinhos tem aumentado, tanto a nível interno, como na exportação. Os empresários procuram, sobretudo, segurança, rapidez e eficácia no envio de um produto que, pelas suas características, requer um tratamento específico e, no envio para o estrangeiro, de conhecimentos de exportação e de processos alfandegários.

 

Entrega pela Mail Boxes Etc.

Evitar a insatisfação ou o desânimo do cliente ao receber garrafas quebradas é essencial para o sucesso de quem vende vinhos online. Para que tal constrangimento não aconteça, a Mail Boxes Etc. recorre a embalagens, técnicas e materiais especializados para proteger cuidadosamente as garrafas, existindo caixas específicas com diferentes dimensões.

Depois, seguem-se todos os detalhes do processo de expedição até ao destino, em observação estrita das normas de cada país. Por exemplo, é possível fazer chegar garrafas de vinho aos Estados Unidos da América para uso pessoal, com o serviço da MBE a efetuar a gestão completa das taxas aduaneiras sobre a importação e a notificação necessária das importações à Food and Drug Administration (FDA).

Finalmente, o serviço tem ainda a vantagem de disponibilizar o MBE SafeValue, um seguro para o envio de garrafas de elevado valor. Em caso de perda ou de quebra, a MBE reembolsa o custo das garrafas, da embalagem e, até, do próprio envio.

DB Schenker

DB Schenker investe 10 milhões de euros em novas instalações na Irlanda

constituições

Constituições caem 43% em janeiro e insolvências aumentam mais de 15%