in

Comportamento atual das marcas vai afetar as decisões dos consumidores no futuro

Foto Shutterstock

Os consumidores deixaram bem claro que irão avaliar as marcas segundo o modo como respondem à crise sanitária, ao cuidarem dos seus colaboradores e ajudarem a sociedade a superar este desafio.

A edição especial do Edelman Trust Report indica que existe uma expectativa generalizada de que as marcas ajam e comuniquem de modo diferente durante a crise. 65% dos consumidores inquiridos indicam que o modo como as marcas se comportarem terá um “impacto tremendo” na sua probabilidade de comprar produtos das mesmas.

Para este barómetro, foram inquiridos 12 mil consumidores de 12 das principais economias mundiais e a mensagem foi consistente em todos os mercados. Um em cada três consumidores afirmam que já deixaram de comprar uma marca que julgaram não estar a ter a melhor atitude face a crise, valor que sobe para 76% no Brasil.

Os consumidores sublinham a importância das marcas no combate à pandemia, com 62% a afirmar que o seu próprio país não sairá bem da situação de crise se as marcas não tiverem um papel decisivo nas respostas aos desafios que se colocam.

A maioria dos inquiridos considera que as marcas estão a agir de modo responsável e 55% indica mesmo que estão a responder mais rápido que as próprias autoridades governamentais. Mas 71% concorda que se as marcas colocarem o lucro à frente do bem-estar das pessoas, perderão a sua confiança de vez.

De facto, as pessoas estão, acima de tudo, no pensamento dos consumidores, que querem que as marcas façam tudo ao seu alcance para assegurar o bem-estar e segurança financeira dos seus colaboradores e fornecedores (90%), mesmo se isso significar terem de suportar avultadas perdas económicas.

Os consumidores também querem que os negócios direcionem os seus recursos para fazer produtos que ajudem os consumidores a superar os desafios atuais (89%) e esperam que ofereçam produtos grátis ou a baixo preço aos profissionais de saúde, aos que estão em risco pelo vírus e aos que perderam o emprego (89%).

A comunicação também é importante para os consumidores e a pesquisa confirma que 90% espera que as marcas sejam completamente transparentes quanto ao que estão a fazer. 57% dos inquiridos preferem que as marcas não usem o  humor na sua comunicação. Parece que os consumidores preferem, nesta altura de crise, uma abordagem mais tradicional à comunicação, com 45% a indicar que quer que as marcas comuniquem informação relacionada com a Covid-19 através dos media tradicionais.

Publicidade

produtos do mar

Aumenta procura por peixe e derivados processados, pré-embalados e congelados

Whirlpool Portugal com nova organização