in

Como crescer na recessão pós-pandemia?

Foto Shutterstock

As persistentes preocupações com a saúde e segurança, pressões financeiras e novos comportamentos significam que os consumidores não irão regressar aos padrões pré-pandemia muito em breve. Como tal, as empresas de grande consumo terão de encontrar formas de crescer durante a recessão, entregar valor no curto prazo, para responder às preocupações económicas e, ao mesmo tempo, inovar de modo a se manterem relevantes, numa altura em que os comportamentos e as prioridades estão em mutação.

De acordo com o barómetro Covid-19 da Kantar, que estuda as atitudes, comportamentos e expectativas em mais de 50 mercados, 37% dos inquiridos esperam regressar ao consumo de bens não essenciais dentro de dois a três meses. Mesmo numa altura em muitos países relaxam as medidas restritivas e os negócios reabrem, 66% afirma que continuará a evitar locais com muita gente, afastando-se de muitos espaços de retalho. Para além das medidas de higiene e de distância social recomendadas, 50% que testes regulares e 43% que seja obrigatório o uso de máscara.

 

Pressões financeiras

Quase todos os inquiridos estão a crescer o nível de ansiedade quanto a questões de dinheiro. 56% dos lares mundiais sofreram uma perda de rendimento devido à Covid-19, percentagem que se eleva para 68% entre os Millennials e 65% entre a Geração Z. 19% espera ainda um impacto futuro.

Com o impacto financeiro da crise a crescer, os consumidores falam consistentemente num sentimento de orgulho em tomar decisões inteligentes, em encontrar valor e em alcançar o sucesso a longo prazo. 53% está a prestar mais atenção a produtos em promoção, face aos 36% apurados na primeira vaga deste barómetro. A oferta de descontos e promoções é agora a terceira maior expectativa quanto às marcas (era a quinta na segunda vaga).

Além disso, 69% dos consumidores indicam que a lista de compra é, agora, ainda mais importante.

 

Importância de comunicar e de entregar valor

Para além das estratégias de preço, os consumidores esperam que as marcas continuem a comunicar. Três em cada quatro (74%) está satisfeito com o volume de comunicação atual e dois terços procuram ajuda e aconselhamento, para si próprios (64%) e para as suas comunidades (65%) na comunicação e no comportamento das marcas.

Paralelamente, as lojas de retalho, nomeadamente as do sector alimentar, estão a ser reconhecidas pela sua capacidade de entregar valor no curto prazo. 40% dos consumidores consideram que a sua experiência em loja é mais positiva.

Não obstante, a utilização do e-commerce continua a crescer. 40% dos consumidores (era 33% na terceira vaga) confiram que aumentaram significativamente as suas compras online, percentagem que se eleva a 48%nos lares com crianças e Millennials. Os preços baixos e as promoções são as razões principais para esta maior utilização.

 

Inovação

Numa altura em que as pessoas começam a aliviar as medidas de confinamento, mais de metade (52% no total, 57% entre os Millennials e 55% entre a Geração Z) acredita, porém, que manterá alguns dos comportamentos mesmo no pós-pandemia. Maior higienização, comer de um modo mais saudável, passar tempo em família e o desenvolvimento pessoal são as atividades que tenderão a ser mantidas. Mais de metade dos inquiridos (51%) dizem estar agora a fazer mais exercício.

Estas mudanças conduzem a diferentes necessidades e padrões de consumo e, com mais de metade a sentir pressões financeiras, as marcas devem assegurar que os seus produtos são considerados essenciais tendo em conta os novos estilos e ritmos de vida. “Ao nos adaptarmos à vida pós-pandemia, começámos a apreciar e queremos manter os novos comportamentos saudáveis recentemente adotados, as ligações com propósito e os hábitos de compra online. As marcas e as empresas, primeiro e acima de tudo, necessitam de assegurar que os seus produtos e serviços são seguros de utilizar e que tomaram todas as precauções de modo a poder garanti-lo. A longo prazo, existe a necessidade de se manter relevante aos olhos do consumidor, ao responder às expectativas recentemente criadas”, conclui Rosei Hawkins, Chief Innovation Office na Kantar.

Publicidade

Unilever

Unilever destina mil milhões de euros ao combate às alterações climáticas

Zoono

APP e Zoono lançam serviço para reduzir o risco de contágio