in

Comércio mundial de mercadorias regista forte recuperação

O crescimento do volume de comércio global de mercadorias permaneceu forte no quarto trimestre de 2020, depois do comércio recuperar, no terceiro trimestre, da profunda queda causada pela Covid-19.

No entanto, é improvável que o ritmo de expansão registado no quarto trimestre continue no primeiro semestre de 2021, já que os principais indicadores parecem ter atingido o seu pico, de acordo com os dados mais recentes do Barómetro do Comércio de Bens da Organização Mundial do Comércio (OMC).

Especificamente, o barómetro está atualmente em 103,9, acima do valor de referência de 100 para o índice e a leitura anterior de 100,7 de novembro passado, indicando uma melhoria acentuada no comércio de mercadorias, desde a queda drástica no primeiro semestre do ano passado. “Todos os índices de componentes estão acima da tendência ou em tendência, mas alguns já mostram sinais de desaceleração, enquanto outros podem cair num futuro próximo. Além disso, é possível que o indicador não reflita totalmente o ressurgimento da Covid-19 e o surgimento de novas variantes da doença, o que, sem dúvida, afetará o comércio de mercadorias no primeiro trimestre de 2021”, explica a OMC.

Os índices de pedidos de exportação (103,4) e produtos de automação (99,8), que estão entre os indicadores antecedentes mais confiáveis ​​no comércio mundial, atingiram o seu pico recentemente e começaram a perder força. Pelo contrário, os índices de transporte de contentores (107,3) e transporte aéreo (99,4) continuam a subir, embora dados mais recentes sugiram que o transporte de contentores diminuiu desde o início do ano.

Finalmente, embora os índices de componentes eletrónicos (105,1) e matérias-primas (106,9) estão firmemente acima da tendência, o que poderia refletir um aumento temporário de stock.

 

Previsão

No terceiro trimestre de 2020, o volume do comércio mundial de mercadorias, ajustado sazonalmente, recuperou de uma queda acentuada no segundo trimestre, impulsionado pelo aumento das exportações na Ásia e pelo aumento das importações na América do Norte e Europa.

A comercialização de bens no terceiro trimestre, no entanto, ainda recuou 5,6% em relação ao mesmo período de 2019, após ter caído 15,6% no segundo trimestre. Estas quedas, embora ainda muito significativas, são menos graves do que muitos analistas temiam no início da pandemia.

A previsão mais recente da OMC, de 6 de outubro de 2020, avançava uma queda de 9,2% no volume do comércio mundial de mercadorias, mas o declínio real poderá ser um pouco menos severo. Além disso, as perspetivas para o período a partir de  2021 são cada vez mais incertas, devido ao aumento da incidência de Covid-19 em todo o mundo e ao surgimento de novas variantes da doença. A recuperação dependerá amplamente da eficácia dos esforços de vacinação.

Publicidade

Pepco

Grupo Pepco quer entrar em todos os mercados da Europa

Danone

Danone reduz vendas em 6,6% em 2020