in

Bebidas energéticas e isotónicas continuam a crescer

A categoria das bebidas energéticas e isotónicas continua, pelo segundo ano consecutivo, a apresentar resultados positivos e animadores no mercado nacional. Nos resultados divulgados pela Nielsen, referentes ao ano móvel findo à semana 51/2016, a categoria apresenta resultados de crescimento, tanto em volume como em valor.

Com 3,5 milhões de litros transacionados, mais 11% que no ano anterior, e 9,7 milhões de euros alcançados, mais 10% face ao período homólogo, a categoria de bebidas energéticas e isotónicas continua a crescer no mercado português. “As bebidas energéticas e isotónicas destacam-se no seio dos refrigerantes como uma das categorias mais dinâmicas. Nos últimos dois anos, a categoria cresceu 24% em volume e 22% em valor”, explica Tiago Rodrigues, Associate Client Manager da Nielsen.

Para a Red Bull, umas das principais marcas a operar nesta categoria e bem conhecida dos portugueses, o aparecimento de novos “players” tem vindo a impulsionar o mercado. “O mercado das bebidas energéticas tem crescido constantemente desde a sua introdução em Portugal. Desde o final dos anos 90 até meio da primeira década de 2000, a Red Bull dominou o mercado, não tendo grande concorrência no nosso país. A partir daí, começaram a surgir outras marcas que contribuíram para a expansão da categoria, especialmente nos últimos anos. Neste momento, a Red Bull tem uma quota de mercado em valor acima dos 60%. O mercado é dominado pelas marcas de fabricante, que representam aproximadamente 70% do volume e 85% do valor da categoria. Mas as marcas de distribuição e primeiros preços têm o seu lugar e podem contribuir também para o alargamento da base de consumidores”, explica fonte da Red Bull Portugal.

O aparecimento de novas marcas, e sobretudo das MDD+PP, bem como da tendência promocional, que se acentuou a partir de 2012, têm vindo a contribuir para a diminuição dos preços deste tipo de produtos. Mas se os preços mais baixos tornam o produto mais apelativo ao consumidor, a visão deste acerca das bebidas energéticas e isotónicas tem vindo também a alterar-se de forma positiva. Não obstante, apesar de já existir mais informação a desmistificar os possíveis malefícios deste tipo de bebidas, parece existir ainda um longo percurso a percorrer neste sentido. “Cada vez mais consumidores sabem o que é uma bebida energética e quais os benefícios e ocasiões para o seu consumo. No entanto, existe ainda um longo caminho a percorrer nessa área. A penetração das bebidas energéticas nos lares portugueses ainda é bastante reduzida quando comparada com outros mercados com características semelhantes e isto acontece devido a ainda existirem muitos ‘mitos’ acerca das bebidas energéticas e seus ingredientes. Quanto mais o consumidor está informado sobre as bebidas energéticas, os seus ingredientes e os seus benefícios, maior a taxa de crescimento das bebidas funcionais como um todo e das energéticas em particular”, acrescenta a Red Bull Portugal.

Segundo os dados da Nielsen, referentes ao ano móvel findo à semana 47/2016, 8% dos lares em Portugal Continental compraram a categoria, em média cinco vezes, adquirindo 0,82 litros, num gasto de 1,77 euros. Se os valores ainda não são muito expressivos, a categoria demonstra que, a manter-se a tendência de crescimento, merece alguma atenção no futuro. Para Tiago Rodrigues, “o crescimento de energéticas e isotónicas contrasta com a manutenção do negócio das bebidas refrescantes, sendo um crescimento homogéneo entre os principais ‘players’. Também nesta categoria existe uma maior procura por produtos ‘mais saudáveis’. As bebidas energéticas e isotónicas sem açúcar crescem a três dígitos e já representam 7% do negócio. O dinamismo das bebidas energéticas e isotónicas também se reflete nos lares portugueses, não obstante esta ser uma categoria de consumo imediato. Existem mais lares a comprar a categoria em 2016 do que existiam em 2015 (+5%) e compram-na mais regularmente. Também no Horeca, esta é uma das categorias que mais cresce, 7% em valor e 8% em volume. Constata-se que este dinamismo em volume é bem superior, cerca de quatro vezes mais, face ao alcançado pela média das bebidas refrescantes (+2%)”.

Duas perguntas a Tiago Rodrigues, Associate Client Manager da Nielsen
Grande Consumo – Este universo sofre de sazonalidade das vendas ou apresenta regularidade ao longo do ano?
Tiago Rodrigues –
Esta categoria, tal como acontece com a maioria das categorias de bebidas refrescantes, tem um pico de vendas no verão (compreendido entre as semanas 25 e 38). O verão de 2016 foi responsável por 38% das vendas em volume das bebidas energéticas e isotónicas.

GC – Qual o peso do consumo destas bebidas no total global das “soft-drinks”?
TR –
As bebidas energéticas e isotónicas representam 3% do negócio de “soft-drinks” (bebidas refrescantes).

Este artigo foi publicado na edição 44 da Grande Consumo.

Publicidade

Export Portal anuncia lançamento de novo site para ajudar empresas em transações internacionais

João Matos honra memórias dos melhores vinhos com Arquivo